Ministro anunciará medidas emergencias contra a seca

Ministro anunciará medidas emergencias contra a seca

Fernando Bezerra visitará o Estado na sexta para avaliar a situação dos municípios afetados pela estiagem

Agência Brasil e Rádio Guaíba

Porto Mauá é um dos municípios afetados pela seca no Estado

publicidade

O governo federal vai anunciar na sexta-feira um pacote de medidas emergenciais para aliviar os efeitos da estiagem no Sul do País. O ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, visitará o Rio Grande do Sul com o titular da pasta Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, para avaliar a situação dos municípios afetados pela seca e anunciar medidas de apoio às comunidades atingidas.

O montante de R$ 18 milhões para obras que beneficiem regiões prejudicadas pela falta de chuva já foi repassado aos cofres do governo do Estado, confirmou Bezerra. A verba corresponde ao que deixou de ser usado dos R$ 20 milhões liberados para o combate aos efeitos das cheias que atingiram o Estado no ano passado. Segundo o ministro, R$ 5 milhões devem ser empregados em custeio e R$ 13 milhões para financiar a perfuração de poços artesianos.

A prorrogação das dívidas dos agricultores também está entre as medidas em discussão. “Claro que deve ter anúncio para prorrogação dessas dívidas, contratação de custeios, que são instrumentos utilizados quando ocorre uma frustração de safra. Estamos estudando os pleitos do Rio Grande do Sul na transferência de recursos para construção de cisternas e reforço na oferta de recursos hídricos”, disse o ministro.

Bezerra declarou que cerca de R$ 3 bilhões foram financiados pelos produtores dos estados do Sul atingidos. Porém, boa parte desses recursos está protegida pelo seguro rural. De acordo com o ministro, a principal preocupação é com os pequenos agricultores que não têm o seguro e com as cooperativas que financiam esses agricultores. “A preocupação do governo é mais com aqueles que não têm o seguro rural e, portanto, estão vivendo uma dificuldade grande de concluir a safra frustrada, manter a atividade de sua propriedade e contratar um novo custeio”, destacou o ministro.

Nessa terça, o governador em exercício, Beto Grill, informou que o Estado pretende solicitar mais R$ 20 milhões à União para o combate à estiagem, além dos R$ 18 milhões já previstos. Durante entrevista coletiva, Grill revelou que técnicos do governo federal encontraram dificuldades em driblar restrições burocráticas para a liberação da verba do ano passado, que era destinada às enchentes.

O Palácio Piratini planeja utilizar os R$ 38 milhões, por exemplo, na aquisição de kits para poços artesianos, caixas d'água, alimento humano e animal, sementes, água potável e na locação de máquinas. O Estado não descartou anistia aos produtores de milho que participaram do programa Troca-Troca, através do qual o Executivo fornece um quilo de sementes para o plantio e, após a colheita, é recompensado com 11 quilos.

O secretário de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, Ivar Pavan, calculou em R$ 2 bilhões a perda causada pela estiagem nas lavouras de milho, soja e feijão. A estimativa não leva em conta os prejuízos no leite e hortifrutigranjeiros. Já a Emater recalculou as estimativas das safras de verão, calculando perdas de 25% no milho, 11% no feijão e 4% na soja. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) também reduziu a projeção para a safra de grãos 2011/12. O arroz deve ter redução de plantio, para 2,55 milhões de hectares, perdendo 267,3 mil em relação ao período anterior. A queda mais acentuada ocorre no Rio Grande do Sul, que deixa de cultivar 118,6 mil hectares.

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895