Moradores do Lami se manifestam contra saída de diretora de Reserva Biológica José Lutzenberger

Moradores do Lami se manifestam contra saída de diretora de Reserva Biológica José Lutzenberger

Manifestação que contou com a participação de aproximadamente 20 pessoas

Cláudio Isaías

publicidade

Moradores e estudantes do bairro Lami, no Extremo Sul de Porto Alegre, realizaram um protesto nesta quarta-feira contra a saída da diretora da Reserva Biológica do Lami José Lutzenberger. A manifestação que contou com a participação de aproximadamente 20 pessoas foi feita na frente da sede da reserva na avenida Otaviano José Pinto. O afastamento da bióloga Maria Carmen Bastos do cargo foi determinado na sexta-feira passada pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Sustentabilidade (Smams). Ela passou a ocupar uma função no setor de fiscalização da secretaria. 

Segundo Ana Felícia Guedes Trindade, que integra o grupo Coletivo Madre Sierra, que desenvolve projetos ambientais com crianças, Maria Carmen desenvolvia ações de educação ambiental com escolas do bairro e organizava ações de manejo na reserva. Ela acredita que a atuação da bióloga incomodou alguns setores que pressionaram o município para que retirassem a diretora do cargo. "A região sofre com com invasões de terra, desmatamentos e compra e venda ilegal de terra", ressaltou.

Ana Felícia explicou que a bióloga, que é mestre em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), tinha uma atuação muito forte na região e denunciava as invasões feitas no Lami. "Queremos o retorno dela para o cargo de diretora da reserva porque ela conhece muito bem o Lami e não tem medo de enfrentar todos esses problemas", acrescentou. Ana Felícia disse ainda que a mudança da diretora fere a lei federal 9.504/1997, no artigo 73, que proíbe a transferência de servidores públicos por questões políticas ou partidárias. 

Em nota, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Sustentabilidade (Smams) esclareceu que “está ampliando o corpo de funcionários e técnicos da Coordenação de Educação Ambiental e Fiscalização (CEAF), visando à qualificação do trabalho executado.” De acordo com a pasta, seis servidores do quadro passam a atuar em apoio às equipes de fiscalização e monitoramento: dois biólogos, um arquiteto, dois veterinários e um operário. “O remanejo dos servidores, além de atribuição inerente aos gestores, visa à melhoria dos serviços oferecidos à população.”

Ainda segundo a nota, entre as atividades que serão executadas pelo grupo estão a elaboração de relatórios fiscais consistentes, incluindo a avaliação do dano ambiental (outra lacuna que está sendo suprida a fim de que processos decorrentes de ação fiscal tenham efetividade) e o fortalecimento do monitoramento das Unidades de Conservação (até o momento não havia na CEAF técnicos especializados em UCs). “As áreas das UCs são ambientes com forte pressão urbana e, com a colaboração de técnicos especializados, busca-se resultados mais efetivos das ações fiscais e de monitoramento. Cabe destacar ainda que as UCs do município são coordenadas por engenheira agrônoma e servidora concursada da Smams.”

Com 204,4 hectares, a Reserva Biológica do Lami José Lutzeberger foi inaugurada em 1975 e entre seus principais objetivos estão a conservação da natureza, a pesquisa científica e a educação ambiental. A unidade de conservação possui diversos ambientes como matas ciliares, banhados, juncais, matas de restinga, maricazais, vassourais e campos arenícolas, contribuindo para a diversidade de espécies da flora e fauna silvestre. Na reserva, estão espécies ameaçadas de extinção em diferentes status de conservação. O destaque fica por conta da figueira da folha miúda (Ficus Cestrifolia), a corticeira do banhado (Erythrina crista-galli) e o butiazeiro (Butia odorata). As espécies são protegidas por leis municipais e estaduais e não podem ser cortadas.

A Reserva do Lami possui cerca de 300 espécies vegetais nativas, espécies animais e aproximadamente 200 espécies de aves nativas, inclusive migratórias. Os banhados e os juncais, são considerados berçários para muitos organismos aquáticos como peixes, anfíbios e moluscos. Nas elevações arenosas, são encontradas ovos de tartaruga e de lagartos.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895