Motoristas de aplicativo pedem reajuste no valor repassado pelas plataformas

Motoristas de aplicativo pedem reajuste no valor repassado pelas plataformas

Manifestação reuniu, na manhã desta terça-feira, cerca de 200 veículos em Porto Alegre

Gabriel Guedes

Manifestação, que ocorreu na manhã de hoje, reuniu cerca de 200 veículos

publicidade

Uma manifestação, na manhã desta terça-feira, em Porto Alegre, reuniu cerca duas centenas de veículos de motoristas de aplicativo, que protestaram pedindo reajuste da tarifa paga pela Uber e pela 99. Segundo a categoria, as plataformas nunca reajustaram os valores, bem como reduziram, ao longo do tempo, de R$ 1,45 para R$ 0,90 a remuneração por quilômetro rodado. O ato iniciou no Largo Zumbi dos Palmares, passou em frente ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT-4) e terminou em frente ao escritório da Uber, na avenida Carlos Gomes.

“Pedimos reajuste para a Uber e a 99Pop, que estão no RS há seis anos e nunca reajustaram o valor. Só baixaram. Pedimos ainda para retirar o Uber Promo e o 99 Poupa, que são valores promocionais que pagam 40 centavos por quilômetro rodado para o motorista. Nos sentimos explorados pelas plataformas e queremos que eles façam um reajuste”, defende a secretária-geral do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte por Aplicativos do Rio Grande do Sul (Sintrapli-RS), Carina Trindade. Os motoristas solicitam um reajuste de 42% no valor.

A entidade organizou o ato para esta terça-feira, porque também era o dia em que se encerra o prazo, no TRE-4, para que a Uber siga ou se retire das negociações mediadas pelo tribunal para resolver a questão. “Também pedimos para a Cabify uma indenização para os motoristas que trabalhavam na plataforma. Mas a empresa não fez nenhuma proposta, até porque ela está se retirando do país”, lembra Carina. A carreata passou pelas avenidas Ipiranga e Salvador França. Junto, um guincho carregava um Fiat Palio, ano 2014, para atestar o estado em que os veículos ficam após rodarem tanto pelas plataformas.

Em nota enviada, a Uber afirma que os parceiros da empresa que dirigiram entre 40 e 50 horas por semana na cidade de Porto Alegre receberam, em média, R$ 1.240 por semana, mas que há “muitas variáveis” que influenciam nestes ganhos. “Por exemplo, como os parceiros da Uber são livres pra decidir em quais dias e horários dirigir, quem dirige em dias e horários de maior movimento tem uma maior chance de ganhos por causa do preço dinâmico”, afirma a companhia. A empresa ainda alega que “é importante lembrar que o cálculo dos ganhos dos parceiros da Uber não leva em consideração apenas as estimativas de distância e de tempo.

Também são levados em consideração o preço-base, a distância entre o motorista e o usuário e o preço dinâmico (quando há)”, pontua. A empresa assegura que “o sistema de preço dinâmico que está sendo testado em Porto Alegre há duas semanas foi criado para não ter nenhum impacto nos ganhos dos motoristas parceiros da Uber”. Ao final do documento, a Uber reitera que tem auxiliado seus parceiros em custos bancários e telecomunicações por meio da Uber Conta e do a Uber Chip, bem como fez uma parceria com a Ipiranga para cashback nos abastecimentos de combustível.

A 99 esclarece “que está aberta ao diálogo e prioriza a melhoria contínua dos ganhos dos motoristas parceiros”. A empresa afirma que tem viabilizado parcerias e condições especiais nos preços dos combustíveis, manutenção de carros e locações com agências para reduzir os gastos dos parceiros, como desconto de 10% nos postos Shell em todo o Brasil. Sobre o valor das tarifas, “a 99 busca o equilíbrio entre a oferta e demanda para viabilizar o transporte das pessoas que precisam sair de casa neste momento”.

A Cabify, que está encerrando neste mês as operações no Brasil, não atendeu ao contato realizado pela reportagem.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895