Obras no Cais Mauá serão retomadas em outubro

Obras no Cais Mauá serão retomadas em outubro

Em agosto, a empresa responsável pela fase 1 dos trabalhos será apresentada

Jessica Hubler

Obras no Cais Mauá serão retomadas em outubro

publicidade

As obras de restauro dos 11 armazéns do Cais Mauá, em Porto Alegre, devem se iniciar em outubro deste ano, e a previsão de inauguração ficou para o final de 2019. No início de agosto deverá ser conhecida a empresa que ficará responsável pela chamada “fase 1” dos trabalhos. Foram recebidas sete propostas no processo licitatório que estão sendo avaliadas pelo Cais Mauá do Brasil, que administra a revitalização do espaço.

A empresa afirmou que está em tratativas com a prefeitura acerca de alterações no projeto inicial de reforma dos armazéns, que foram definidas pelo diretor-presidente do Cais Mauá do Brasil, Vicente Criscio, como “pequenos ajustes”. Esta etapa do projeto compreende o restauro de 11 armazéns da avenida Mauá, do Gasômetro até o Mercado Público, quando serão refeitas obras estruturais (paredes, estruturas metálicas e telhados) e de infraestrutura (água, esgoto, luz e Internet).

Hoje, os prédios estão com vidraças e telhados quebrados. A área, de modo geral, serve de abrigo para os pombos, que entram e saem das edificações com frequência. A parte interna é um mistério, visto que a maioria dos armazéns está lacrado e o canteiro de obras, paralisado.

Conforme Criscio, até o momento foi realizada a etapa de remoção do passivo ambiental, a chamada “remediação ambiental”. Nessa fase, foram retirados mais de 400 metros cúbicos de terra contaminada com resíduos de combustíveis e trabalhos para descontaminar o interior das edificações. A análise dos materiais recolhidos será encaminhado à Secretaria Estadual do Meio Ambiente, que dará aval para a continuidade das obras. “Não temos máquinas trabalhando, mas o projeto está em andamento”, enfatizou. Criscio explicou que uma das principais causas para a demora nas demais etapas dos trabalhos foi a operação da Polícia Federal, em abril, “que impactou o caminho da captação de recursos”, disse.

A intenção inicial era concluir a remediação ambiental em maio e iniciar as obras de restauro em julho, o que acabou não acontecendo. “Atrasou cerca de dois meses”, justificou o diretor-presidente. “Agora, o modelo de gestão está sendo redesenhado para oferecer segurança jurídica e institucional aos novos investidores”. A licitação para restauro do prédio da Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH) foi publicada ontem e as demais devem ser conhecidas na próxima semana.

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895