Pessoas passam a madrugada para fazer registro do CadÚnico em Porto Alegre

Pessoas passam a madrugada para fazer registro do CadÚnico em Porto Alegre

Moradores de diversos bairros levaram cobertores e cadeiras para garantir uma das 120 fichas no Centro de Referência da Assistência Social

Felipe Faleiro

publicidade

Pessoas que precisaram atualizar o Cadastro Único enfrentaram uma situação caótica na sede da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (SMDS) de Porto Alegre, na avenida João Pessoa, bairro Farroupilha, na manhã desta quinta-feira. O local é um dos três que oferece o serviço na Capital. Usuários que enfrentaram o frio e a chuva da noite anterior precisaram ter muita paciência, e até perder o sono em busca de uma das fichas disponíveis.

Muitos deles, porém, mesmo se abrigando em marquises ou da forma como puderam, não tiveram sucesso na obtenção da senha. A fila na calçada no lado de fora foi enorme, quase alcançando uma quadra. Na parte interna do edifício, a situação não era diferente, com aglomeração e ainda mais reclamações dos beneficiários. Problemas no aplicativo móvel do Cadastro Único também foram relatados. O reciclador Luiz Fernando da Silva, morador do bairro São Geraldo, colocou um saco plástico por cima das roupas para tentar escapar da chuva.
 
“Cheguei às 23h. E têm pessoas furando a fila aqui, está fora de controle. Deveria haver ao menos um funcionário aqui para cuidar das filas”, disse ele, que estava com a ficha de número 64. A desempregada Cintia Barbosa, que mora no Partenon, chegou ao local ainda mais cedo, às 20h, e estava com a ficha 22. “Estou há 48 horas sem dormir”, contou. Outras pessoas tentavam ainda chegar ao local hoje pela manhã com a esperança de obter senhas, mas desistiam ao ver o número de pessoas aguardando na sua frente.

Centro estava lotado na parte interna / Foto: Guilherme Almeida 

Em Porto Alegre, além da sede da SMDS, os outros locais com atualizações do CadÚnico são o Vida Centro Humanístico, na avenida Baltazar de Oliveira Garcia, 2132, bairro Sarandi, e no Sine Municipal, na avenida Sepúlveda, esquina com Mauá, no Centro Histórico, todos com atendimento de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Há 127 mil inscritos no programa na Capital, dos quais cerca de 50% precisam efetuar a atualização, segundo a Prefeitura.

A SMDS, por meio de sua assessoria de Comunicação, informou que já imaginava o grande movimento de beneficiários, e que, inclusive, dobrou o número de cadastradores e aumentou a quantidade de fichas para atendimento. Na João Pessoa, foram entregues 120 fichas, e no Sine e Centro Vida, mais 80 em cada. A assessoria da SMDS disse ainda que famílias já acompanhadas pelos cadastradores estão sendo atendidas por eles nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS).
 
Diante da repetição da situação em diversas cidades do país, o governo federal prorrogou, também nesta quinta-feira, os prazos de atualização do Cadastro Único. A medida foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), e o governo afirma que o cadastro, gerenciado pelo Ministério da Cidadania, “reflete diretamente no foco dos programas sociais direcionados a famílias de baixa renda”, como o Auxílio Brasil, a Tarifa Social de Energia Elétrica e o Benefício de Prestação Continuada (BPC). Quem não atualiza o cadastro, tem os benefícios bloqueados.
 
Em 2022, a revisão está sendo priorizada para famílias cuja última atualização foi realizada nos anos de 2016 e 2017, em razão da pandemia de Covid-19, que represou os atendimentos por parte dos municípios. Normalmente, precisam revisar o cadastro quem está há mais de dois anos sem alterações no mesmo. Podem se inscrever no Cadastro Único famílias com renda mensal por pessoa de até meio salário-mínimo (R$ 606), ou que possuem renda acima deste valor, mas que estejam vinculadas ou se vinculando a algum dos programas sociais do governo federal. 

Novos prazos 

- Beneficiários do Auxílio Brasil: prorrogado de julho para outubro 
- Beneficiários da Tarifa Social: prorrogado de novembro para dezembro 
- Famílias que atualizaram pela última vez em 2016 e 2017: de 15/7 para 31/7 
- Famílias com problemas cadastrais: de 31/7 para 31/12


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895