Pfizer testará terceira dose da vacina anticoivd para crianças menores de 5 anos

Pfizer testará terceira dose da vacina anticoivd para crianças menores de 5 anos

Farmacêutica começou ensaios clínicos em 600 adolescentes com idades entre 12 e 17 anos para uma dose de reforço

AFP

Primeiras duas doses devem seguir sendo aplicadas com um intervalo de três semanas

publicidade

A Pfizer anunciou nesta sexta-feira (17) que quer testar uma terceira dose de sua vacina anticovid em crianças menores de cinco anos, para que possa solicitar uma nova autorização no próximo ano para aplicar três doses nessa faixa etária. Como parte dos ensaios clínicos em andamento, a gigante farmacêutica dos Estados Unidos selecionou uma dose de 3 microgramas por injeção para crianças entre as idades de seis meses e menores de 5 anos.

Isso representa uma quantidade 10 vezes menor do que a administrada em adultos (30 microgramas) e também inferior à administrada em crianças entre 5 e 11 anos (10 microgramas).

Em crianças com idades entre 2 e menos de 5 anos, a dose de 10 microgramas causou mais febre do que em crianças mais velhas, levando a empresa a selecionar uma dose mais baixa. Mas com duas injeções de 3 microgramas, sua resposta imunológica foi menos eficaz do que a de adolescentes e adultos jovens vacinados.

A Pfizer decidiu então modificar seu protocolo de ensaio clínico para incluir uma terceira dose, injetada "pelo menos dois meses após a segunda", disse a empresa em um comunicado.

As primeiras duas doses devem seguir sendo aplicadas com um intervalo de três semanas. A dose de reforço demonstrou promover proteção em grupos populacionais mais velhos.

Esse "ajuste" não deve afetar o cronograma para a solicitação da respectiva autorização no "segundo trimestre de 2022", disse Kathrin Jansen, chefe de pesquisa de vacinas da Pfizer, em teleconferência.

A Pfizer também anunciou que iniciou ensaios clínicos em 600 adolescentes com idades entre 12 e 17 anos para uma dose de reforço (10 ou 30 microgramas). Atualmente, nos Estados Unidos, além dos adultos, a dose de reforço só é autorizada para adolescentes entre 16 e 17 anos.

 


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895