Prefeitura assina contrato para construção de estação de tratamento na Zona Sul de Porto Alegre

Prefeitura assina contrato para construção de estação de tratamento na Zona Sul de Porto Alegre

Obra deve ter reflexo direto para 250 mil pessoas e busca solucionar falta de água na região

Franceli Stefani

Marchezan projetou novas possibilidades imobiliárias para a região

publicidade

Ainda sem previsão de início da obra, a Prefeitura de Porto Alegre assinou com a Caixa Econômica Federal nesta sexta-feira, o contrato de R$ 220 milhões para a construção da Estação de Tratamento de Água (ETA) Ponta do Arado, na zona Sul. Conforme o prefeito Nelson Marchezan Júnior, o montante era pleiteado desde 2017. “As reformas estruturais feitas nos dois primeiros anos de governo, sempre buscando equilibrar a situação financeira do município, é que permitem a vinda de investimentos tão importantes como esse”, afirma.

A contrapartida do poder público é de R$ 10 milhões, o restante é oriundo do financiamento. O prazo para a construção é de 36 meses, com entregas parciais. Passado esse período, há mais 24 meses de carência para que a gestão comece a efetuar os pagamentos previstos para se estender por 20 anos. “Ao seu final, a estação vai capturar, levar e tratar a água para uma região que hoje não tem fornecimento. Haverá reflexo direto para 250 mil pessoas. É qualidade de vida”, comenta o prefeito. De acordo com ele, indiretamente existe a possibilidade de autorização de centenas de investimentos imobiliários que foram negados devido à falta de capacidade do abastecimento para a região Sul e extremo Sul de Porto Alegre. “Temos pressa para iniciarmos porque a cada verão a comunidade não tem abastecimento frequente por, pelo menos, quatro meses. Quanto antes começarmos, melhor. Nossa expectativa é de que, no início do próximo semestre, tenhamos boas notícias.”

Morador e líder comunitário, Daniel Barres, 33 anos, acredita que em breve a comunidade terá o problema histórico solucionado. Ele, que reside na Estrada das Quirinas, na Lomba do Pinheiro, explica que a população está na expectativa. “Sofremos muito, principalmente no verão, quando aumenta o consumo das economias. Com a ETA 3 a situação ficará diferente. As equipes do Dmae já trabalham na melhoria da rede, quando a obra for concluída já estará tudo pronto para ela operar”, detalha.

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Duarte Guimarães, afirma que o foco da instituição não é apenas Brasília ou eixo Rio de Janeiro e São Paulo. “Temos outras obras de infraestrutura importantes para discutir, com a melhora da qualidade de crédito da prefeitura da Capital, que tem espaço para tomar mais empréstimo”, garante. Guimarães adianta que neste ano a Caixa vai financiar R$ 5 bilhões só na parte imobiliária no Estado, considerado central e estratégico. Em breve, de acordo com ele, será lançado um programa transformacional para as prefeituras, porém não detalhou.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895