Professores protestam contra a retirada da Filosofia da grade curricular

Professores protestam contra a retirada da Filosofia da grade curricular

Simpa e Atempa reuniram dezenas de servidores no Paço Municipal, no final da tarde desta sexta-feira

Sidney de Jesus

Professores protestaram contra decisão "arbitrária"

publicidade

O Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa) e a Associação dos Trabalhadores em Educação no Município (Atempa) realizaram, no final da tarde desta sexta-feira, 15, em frente ao Paço Municipal, no Centro Histórico, um ato público para protestar contra o plano da Prefeitura para a reformulação dos currículos escolares do Ensino Fundamental da rede municipal, que excluí a disciplina de Filosofia dos currículos.

Com palavras de ordem e cartazes contra o prefeito Sebastião Melo, dezenas de professores municipais ocuparam o local e reivindicaram uma grade curricular sem as mudanças propostas pela Prefeitura que, além da retirada da disciplina de filosofia dos currículos, aumenta carga horária de Português e Matemática do primeiro ao nono ano, estabelece oferta obrigatória de Ensino Religioso e diminui os períodos de História e Geografia.

“Estamos aqui hoje, no dia dos professores, para protestar contra essa proposta antipedagógica da Secretaria Municipal da Educação (Smed) para o currículo das escolas, que retira a Filosofia da grade curricular colocando a Religião, entre outros absurdos. Não houve nenhuma discussão com os professores e a comunidade escolar. Na verdade trata-se de uma medida ditatorial e antidemocrática”, afirmou o diretor-geral do Simpa, João Ezequiel da Silva, lembrando que o Sindicato dos Municipários está em defesa de uma educação de qualidade. “O governo tem que escutar as comunidades escolares que são quem de fato fazem a educação na cidade”, ressaltou.

Para o diretor-geral da Associação dos Trabalhadores em Educação no Município (Atempa), Marcus Vianna, é necessário um debate com a participação dos professores e da comunidade para decidir algo tão grave como a retirada da disciplina de Filosofia do currículo escolar. “Não fomos ouvidos pela Smed e a Prefeitura. A Filosofia é uma matéria fundamental para os jovens e estudantes aprenderem a pensar, aprenderem lógica e como o mundo é um desafio cotidiano”, enfatizou Vianna, que lembrou que a própria legislação em Porto Alegre estabelece um congresso municipal para debater o que será trabalhado em sala de aula. “Mudar toda a organização das escolas em meio à pandemia é muito complicado e só atrapalha. Vemos com maus olhos esse desprestígio da nossa profissão”, destacou o diretor-geral da Atempa.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895