Professores vão ao Palácio Piratini e pedem reunião com Leite para tratar de reposição salarial

Professores vão ao Palácio Piratini e pedem reunião com Leite para tratar de reposição salarial

Trabalhadores também reclamam do congelamento do auxílio refeição

Rádio Guaíba

Trabalhadores também reclamam do congelamento do auxílio refeição

publicidade

Os professores da rede estadual gaúcha, vinculados ao Cpers-Sindicato, estão mobilizados em frente ao Palácio Piratini nesta quinta-feira (9). A categoria reivindica uma agenda com o governador Eduardo Leite (PSDB) para tratar da campanha de reposição salarial dos profissionais que atuam em todo o Rio Grande do Sul.

Os trabalhadores reclamam, também, do congelamento do auxílio refeição, da redução dos adicionais que integram os salários dos professores e da falta de reposição pelos gastos extras impostos durante o trabalho remoto. A presidente da entidade, Helenir Schürer, diz que a administração tem um projeto de sucateamento da educação pública.

“Na pandemia a sociedade aprofundou o debate sobre a importância da educação, mas a valorização do setor não se dá na prática. No Rio Grande do Sul, professores e funcionários da rede estadual estão há sete anos sem reposição salarial e com ganhos corroídos pela inflação, ao ponto de terem perdido até a metade do poder de compra”, observa.

A suposta falta de diálogo entre o Governo e a categoria também é motivo de queixa. De acordo com os servidores, nem mesmo a Secretaria da Educação está de portas abertas aos trabalhadores – tendo faltado em diversas audiências públicas promovidas pela Assembleia Legislativa.

Contraponto

A Rádio Guaíba buscou contato com a equipe da SEDUC, para repercutir as alegações feitas pelos educadores. No entanto, até a publicação desta reportagem, nenhuma resposta foi enviada pela pasta.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895