Reinauguração de estação na Antártica é adiada, informa Marinha

Reinauguração de estação na Antártica é adiada, informa Marinha

Condições meteorológicas impediram deslocamento de autoridades

Por
Correio do Povo

Estação brasileira será uma das mais modernas


publicidade

A cerimônia de reinauguração da estação brasileira na Antártica foi adiada. O evento, que estava marcado para ocorrer às 17h desta terça-feira, foi postergado por conta das más condições meteorológicas, segundo informações divulgadas hoje pela Marinha. 

 

 

Conforme a Marinha, o deslocamento de autoridades foi afetado. A saída de Punta Arenas para a Antártica não será possível por causa do tempo. A previsão é de que o evento aconteça nesta quarta, em horário que ainda será confirmado. A reinauguração teria a participação do vice-presidente Hamilton Mourão. O governo Federal investiu cerca de US$ 100 milhões na construção do novo centro de pesquisas do Brasil na Antártica que possui 17 laboratórios e pode hospedar 64 pessoas.

O projeto de engenharia da Estação Comandante Ferraz foi desenvolvido para reduzir os impactos ambientais. Trinta por cento da energia consumida no centro de pesquisa vem de fontes renováveis produzidas por placas solares e por uma mini usina eólica instalada no local. Outro detalhe que chama a atenção é que o calor emitido pelos geradores de energia ao invés de ser lançado para o ar é canalizado para aquecer a usina. Detalhes que fazem a Estação Comandante Ferraz ser considerada uma das estações mais modernas da região Antártica.

O professor de microbiologia da Universidade Federal de Minas Gerais, Luiz Rosa, será um dos primeiros pesquisadores que vai utilizar as novas instalações da nova estação. Ele já está na Antártica montando o laboratório onde vai trabalhar. O professor diz que a nova estação vai permitir que as pesquisas continuem sendo realizadas também no inverno.