Representantes da Cettraliq questionam se água está própria para consumo

Representantes da Cettraliq questionam se água está própria para consumo

Engenheiro da empresa explicou que, se o problema é químico, não se sabe o que tem no Guaíba

Correio do Povo e Rádio Guaíba

Representantes da Cettraliq questionam se água está própria para consumo

publicidade

Representantes da Cettraliq, que teve atividades suspensas pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), estão convictos de que a empresa não é responsável pela alteração no odor e no gosto da água do Guaíba. Em entrevista à Rádio Guaíba nesta sexta-feira, a bióloga Isabel Cristina Claas e o engenheiro químico José Carlos Bignetti questionaram inclusive se a água está realmente própria para o consumo humano. 

"Nós acreditamos fielmente que não somos responsáveis pelo odor e gosto da água", declarou a bióloga Isabel. Já o engenheiro químico José Carlos Bignetti explicou que, enquanto se acreditava que o odor e o gosto da água eram causados por Actinomicetos (tipo de bactéria), sabia-se quais os produtos que eles geravam. No entanto, conforme o engenheiro, as autoridades municipais e ambientais alegam que o problema é químico. "Á água tem gosto e cheiro porque existe algum composto ali dentro. Alguém sabe qual? Não. Alguém sabe em que concentração? Não. Então, como é que alguém vem para o microfone e diz que a água é potável se não sabe o que tem dentro?", questionou o engenheiro ao se referir às declarações do diretor do Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae), Elisandro Oliveira, que afirmou que a água do Guaíba pode ser ingerida. "Acho que ele está sendo, no minímo, um tanto quanto irresponsável", disse Bignetti. "No meu rim, esta água não passa", afirmou.

A bióloga informou que foram analisadas bactérias nos efluentes recebidos pela empresa e constavam apenas  "100 unidades por mililítro". Segundo ela, nas casas de bombas do Dmae foram encontrados 20 mil e 35 mil. Ela esclareceu que a Cettraliq não tem vínculo com a Prefeitura de Porto Alegre, que é uma empresa privada que trata efluentes de indústrias. Conforme Isabel, a Cettraliq tem uma cartela de 3 mil clientes - 1,5 mil ativos. "Temos em média 200 clientes por mês que enviam efluentes", informou.

O engenheito também disse que algumas pessoas dizem que o cheiro da água é próximo de cevada. "Nós localizamos dez microcervejarias no bairro Navegantes. Quantas delas tratam os seus efluentes?, perguntou. "O que nós gostaríamos de saber é se esses órgãos têm conhecimento dessas empresas e se elas tratam seus efluentes", argumentou a bióloga.

A Fepam determinou a suspensão, a partir da tarde desta quarta-feira, das atividades da empresa Cettraliq, localizada às margens do Guaíba. Conforme a assessoria de comunicação da Fepam, a medida é preventiva e decorre do excesso de emissão de odores na região do bairro Navegantes, na zona Norte da Capital.

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895