Secretaria da Saúde de Porto Alegre alerta sobre os cuidados para evitar o Aedes aegypti

Secretaria da Saúde de Porto Alegre alerta sobre os cuidados para evitar o Aedes aegypti

Mosquito causador da dengue, zika e de chikungunya se proliferam em recipientes que acumulam água

Cláudio Isaías

Recipiente com água acumulada, onde se proliferam as larvas do mosquito, foi encontrado na Secretaria Municipal de Saúde

publicidade

A elevação da temperatura e o verão (estação que vai até o dia 20 de março) são dois fatores que vão contribuir para o aumento da quantidade do mosquito Aedes aegypti em Porto Alegre. A Diretoria Geral de Vigilância em Saúde ligada a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) sugere que toda a semana a população façam a limpeza dos recipientes que acumulam água em seu ambiente domiciliar e também no trabalho (nas áreas externas das repartições públicas).

Na manhã desta segunda-feira, dos três órgãos públicos visitados, o Centro Administrativo Fernando Ferrari, na avenida Borges de Medeiros, e o prédio da Secretaria de Segurança Pública, na rua Voluntários da Pátria, não havia recipientes com água acumulada. Já na Secretaria Municipal de Saúde, na avenida João Pessoa, no Centro Histórico, havia uma bandeja cheia de água (semelhante a um cinzeiro) ao lado dos bancos do jardim da instituição.

No cemitério São João, no bairro Higienópolis, na zona Norte da cidade, um funcionário do serviço de manutenção, que pediu para não se identificar, informou que os visitantes recebem recomendações para evitar a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue.

Entre as orientações repassadas aos familiares e amigos no combate à dengue está utilizar sempre vasos ou recipientes com furos que permitam a vazão da água, mesmo que as flores sejam artificiais e a manutenção do nível de areia até a borda evitando o acúmulo de água.

Entre as dicas repassadas ao público no cemitério está a opção pelas flores artificiais. Nesse caso, ao invés de areia, podem ser utilizadas pedras, que facilitam o escoamento da água. "Os visitantes podem utilizar um recipiente furado, retirar o invólucro de celofane, que embrulha o vaso ou buquê, que, por ser impermeável, favorece o acúmulo de água e eliminar prato", ressaltou o funcionário do cemitério São João.

A população deve ficar atenta aos depósitos preferencias para os ovos, que são os recipientes domiciliares com água parada ou até na parede destes, mesmo quando secos. Os principais exemplos são pneus, latas, vidros, cacos de garrafa, pratos de vasos, caixas d'água ou outros reservatórios mal tampados.

Outros pontos em que as pessoas devem ter atenção são: a verificação se os ralos estão desentupidos e, se não estiver usando, deixe-os fechados ou com telas e a observação da bandeja externa de água na parte de trás da geladeira. Até outubro de 2020, segundo a SMS, Porto Alegre contabilizou 150 casos notificados de dengue, dos quais 40 importados e seis autóctones (quando a doença é contraída no município). Foram notificados ainda três casos de zika e dez de chikungunya, um deles importado.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895