Temporal alaga ruas, inunda casas e arrasta carro em Viamão

Temporal alaga ruas, inunda casas e arrasta carro em Viamão

Arroio Feijó transbordou e água destruiu móveis de residências na Vila Augusta

Guilherme Kepler / Rádio Guaíba

Temporal alaga ruas, inunda casas e arrasta carro em Viamão

publicidade

O temporal que atingiu parte do Rio Grande do Sul entre a noite dessa terça e a madrugada desta quarta-feira causou diversos estragos em Viamão, na região Metropolitana. Além de alagar casas e fazer com que moradores de diversos bairros perdessem móveis, colchões e utensílios domésticos, a força das águas do arroio Feijó arrastou um carro. O veículo teve de ser retirado pelo Corpo de Bombeiros de Itapuã. 



Um dos bairros mais prejudicados é o Vila Augusta, onde os moradores realizam mutirão de limpeza. Muitos comerciantes perderam tudo em seus estabelecimentos e pessoas que moram próximas ao arroio Feijó reclamaram da demora na obra do local que ajudaria a evitar o transbordamento. Em entrevista à Rádio Guaíba, José Luiz, que vive na Vila Augusta, afirmou que perdeu móveis e roupas.  




Outro morador, identificado como Rodrigo, relatou que a chuva começou por volta de 1h e em questão de 10 minutos a região estava alagada. "Meu pai tem duas pernas amputadas e para tirar ele daqui só se for nas costas. Fomos procurar o pessoal responsável pela obra no arroio, mas não encontramos arquiteto ou engenheiro. Eles tentaram fazer uma barreira próxima, mas estourou tudo. Não sabemos o que o prefeito está fazendo porque ele não nos dá nenhuma definição. Minha mãe perdeu colchão, geladeira e o fogão. De onde vamos tirar mantimentos?", questionou. 

Santa Cruz do Sul 

Em Santa Cruz do Sul, os estragos foram menores, segundo o tenente da Defesa Civil José Joaquim Dias. "Houve uma carga pluviométrica de 22 milímetros e isso fez com que a rede hídrica ficasse prejudicada, provocando alagamento em alguns pontos. O vento causou queda de algumas árvores, mas são danos de pequena monta. Não temos ainda informações de desabrigados e desalojados", explicou.  

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895