The Lancet pede explicações a autores de estudo sobre vacina russa

The Lancet pede explicações a autores de estudo sobre vacina russa

Pesquisadores questionam a plausibilidade dos dados do estudo devido a possíveis "inconsistências"

AFP

Pesquisadores questiona a plausibilidade dos dados do estudo devido a possíveis "inconsistências".

A revista científica The Lancet anunciou nesta quinta-feira que solicitou esclarecimentos aos autores de um estudo sobre a vacina russa contra a Covid-19, publicado no semanário, que destaca resultados promissores, depois que um grupo de cientistas questionou suas conclusões. Em uma carta aberta à prestigiosa revista médica em 7 de setembro, assinada por 30 pesquisadores, principalmente europeus, o cientista italiano Enrico Bucci questiona a plausibilidade dos dados do estudo devido a possíveis "inconsistências".

O estudo, publicado em 4 de setembro e financiado pelo ministério russo da Saúde, defende que a vacina, batizada como Sputnik V, desenvolve uma resposta imunológica sem efeitos indesejáveis. O médico russo Denis Logunov, que coordena a equipe que desenvolveu o antígeno, defendeu seu trabalho e afirmou que a revista The Lancet teve acesso a "todos os dados compilados durante as pesquisas científicas", segundo a agência russa pública RIA Novosti.

Nesta semana, as autoridades russas começaram a testar a vacina entre 40.000 habitantes de Moscou, depois do anúncio, com grande pompa em agosto, de que a Sputnik V havia superado todos os testes e entraria na terceira e última fase de testes clínicos.

Bucci, que trabalha e dá aulas na Universidade Temple da Filadélfia, destaca em sua carta aberta "potenciais incoerências nos dados", critica a ausência dos originais e a afirma que o artigo "apresenta vários pontos preocupantes".

De modo concreto, o cientista italiano destaca que em alguns testes os resultados são idênticos ou muito parecidos entre voluntários, como por exemplo o nível de anticorpos produzidos pela vacina, o que ele considera "altamente improvável".

Em resposta à carta aberta, a revista britânica "convidou os autores do estudo a responder as questões apresentadas" e afirmou que acompanha a "situação muito de perto".

Antes da publicação, o estudo russo foi avaliado por um comitê científico independente, integrado por especialistas em Covid-19 e em vacinas, recordou à AFP uma porta-voz da revista.

O Centro Gamaleya, do qual Lugonov é o vice-diretor científico, "rejeita categoricamente as acusações de um grupo de cientistas sobre a falta de confiabilidade dos dados estatísticos", afirmou o pesquisador, de acordo coma RIA Novosti.

"O Centro apresentou a The Lancet o protocolo clínico completo e todos os dados compilados no decorrer das pesquisas científicas, antes da publicação", declarou.

De acordo com Lugonov, "os dados foram submetidos a um controle minucioso dos revisores da revista, que fizeram todas as perguntas necessárias (...) e receberam respostas exaustivas".

A Sputnik V é uma vacina denominada de "vetor viral": utiliza dois adenovírus humanos - responsáveis sobretudo pelos resfriados - e os transforma para agregar o vírus SARS-CoV-2, que provoca a covid-19. De acordo com a OMS há atualmente 35 projetos de vacinas no mundo que se encontram ou estão perto de entrar na última fase de testes clínicos.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895