UPAs de Porto Alegre apresentam diminuição da superlotação, diz Mauro Sparta

UPAs de Porto Alegre apresentam diminuição da superlotação, diz Mauro Sparta

Secretário de Saúde atribuiu redução a maior conscientização da população no cumprimento de protocolos

Cláudio Isaías

Secretário de Saúde atribuiu redução a maior conscientização da população no cumprimento de protocolos

publicidade

Nas últimas duas semanas, a superlotação nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Porto Alegre apresentou uma diminuição. A avalição foi feita pelo secretário municipal da Saúde, Mauro Sparta, ao informar que tem visitado as unidades Bom Jesus, Cruzeiro do Sul e Lomba do Pinheiro onde percebeu a redução de pacientes e leitos vagos nas UPAs. 

Nos três primeiros meses deste ano, as unidades apresentaram lotação superior a 400% e até em alguns casos a 500%. "No domingo, estive no Pronto Atendimento da Cruzeiro do Sul (PACS) e constatei apenas um paciente aguardando para ser internado", ressaltou. Sparta atribuiu essa mudança ao fato de que ocorreu uma redução das doenças respiratórias na Capital. "Num passado recente, digamos 30 dias, estávamos nas UPAs da Capital com 20, 30 e até 50 pacientes aguardando por uma internação solicitada pela equipe medica", destacou. 

O secretário afirmou ainda que na semana passada esteve na UPA da Bom Jesus e da Lomba do Pinheiro onde constatou que não havia pacientes com doenças respiratórias para serem internados. "Havia pessoas com outras doenças, mas não era respiratórias", acrescentou. Sparta atribuiu a redução da superlotação nos Pronto Atendimentos a diminuição da circulação de pessoas na Capital e a uma consciência das pessoas que perceberam que os hospitais estavam lotados, ou seja, elas não podiam adoecer. "Estamos vendo mais conscientização por parte da população em obedecer os protocolos sanitários determinados pelas autoridades da saúde", acrescentou. As UPAs de Porto Alegre seguem com o atendimento de casos de graves. 

Tanto nas unidades da Cruzeiro do Sul, da Lomba do Pinheiro, da Bom Jesus quanto na Moacyr Scliar as pessoas são informadas sobre a situação das unidades. No Pronto Atendimento da Cruzeiro do Sul, funcionários que pediram para não serem identificados, disseram que as equipes estão sobrecarregadas e que todos os servidores estão cansados devido jornadas exaustivas de trabalho e com receio de contaminação em função da pandemia.

Os profissionais de saúde tem recomendado à população que siga praticando as medidas de prevenção como o uso de máscaras e do álcool em gel, higienize sempre as mãos e claro evite aglomerações. No mês de março, os 12 postos de saúde comunitária do Grupo Hospitalar Conceição (GHC) registraram, um crescimento expressivo, de mais de 300%, pela procura de pacientes com sintomas respiratórios para diagnóstico da Covid-19. Na época, a superlotação das Unidades de Pronto Atendimento e das emergências dos hospitais resultou no aumento da demanda. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895