A obsessão de Vladimir Putin com a Ucrânia

A obsessão de Vladimir Putin com a Ucrânia

Líder quer volta do país ao domínio russo em nome da grandeza da Rússia

AFP

Putin lançou nesta quinta-feira uma ofensiva militar na Ucrânia

publicidade

O presidente Vladimir Putin, que lançou nesta quinta-feira (24) uma ofensiva militar na Ucrânia, tem uma obsessão: fazer esse país voltar ao domínio russo em nome da grandeza da Rússia, mesmo que tenha que invadi-lo. Para muitos russos de sua geração, que cantaram odes à glória da URSS, o fim da União Soviética e sua esfera de influência em três anos (1989-1991) continua sendo uma ferida pungente.

Putin, então oficial da KGB na Alemanha Oriental, experimentou a derrota em primeira mão. E, diz-se, sofreu as misérias que se abateram sobre tantos de seus compatriotas, forçados a retornar clandestinamente à Rússia. A humilhação e a miséria da antiga URSS contrastavam com o triunfalismo e a prosperidade do Ocidente.

Isso o convenceu, como ele mesmo disse, de que o fim da URSS foi "a maior catástrofe geopolítica do século XX", que também teve duas guerras mundiais. E alimentou um desejo de vingança, à medida que a OTAN e a União Europeia (UE) se expandiam para incorporar os antigos vassalos de Moscou.

Para o presidente russo, sua missão histórica é impedir a invasão de sua zona de influência. Em nome da segurança da Rússia. Assim, a Ucrânia tornou-se uma linha vermelha.

"Foguetes em Moscou"

Em sua visão, se a Rússia "não resolver esta questão de segurança, a Ucrânia estará na OTAN em 10-15 anos", e depois disso, "os foguetes da OTAN estarão em Moscou", explica Alexei Makarkin, do Centro de Tecnologias Políticas.

Após a revolução pró-Ocidente de 2014 em Kiev, a Rússia anexou a península da Crimeia e os separatistas pró-russos ocuparam o leste da Ucrânia. Para Putin, seu vizinho está errado em se ver como vítima do imperialismo czarista, depois soviético e agora russo. Ele considera que as duas revoluções ucranianas, em 2005 e 2014, contra as elites pró-russas, foram resultado de conspirações ocidentais.

Para o chefe do Kremlin, Moscou tem que ser forte, assustador. Ceder não é da natureza desse faixa-preta de judô. "Se o combate é inevitável, ataque primeiro", declarou em 2015. Uma de suas governantas, Vera Gurevitch, contou que aos 14 anos, o jovem Vladimir, após quebrar a perna de um amigo, proclamou que alguns "só entendem pela força".

A Ucrânia, desde sua "Revolução Laranja" de 2004-2005, sofreu com as "guerras do gás" que a desestabilizaram economicamente.

"Parar o tempo"

Em 2008, segundo a imprensa russa e americana, Putin assegurou a seu colega americano, George W. Bush, que a Ucrânia "não é um Estado". Em dezembro passado, proclamou em sua coletiva de imprensa anual que este país é uma invenção de Lenin.

Meses antes, em um artigo intitulado "Da unidade histórica de russos e ucranianos", Putin explicou as ações de seu vizinho como parte de um complô "anti-Rússia" dos Estados Unidos e seus aliados. O Ocidente teria criado "um sistema político ucraniano no qual presidentes, parlamentares e ministros podem mudar, mas não o curso secessionista e sua animosidade em relação à Rússia", acrescentou.

Tatiana Stanovaia, diretora do think tank russo R. Politik, destaca que, sob essa lógica, os 100.000 soldados russos atualmente na fronteira com a Ucrânia não são uma ameaça. "Uma guerra não constitui um ataque contra a Ucrânia, mas uma libertação do povo ucraniano do ocupante estrangeiro", diz, seguindo a lógica de Putin.

Por sua vez, o porta-voz do Kremlin, Dimitri Peskov, declarou em dezembro que "um povo irmão não se perde, um povo irmão permanece". Em suma, trata-se do poder russo de restaurar o curso natural das coisas na Ucrânia e além.

Moscou diz e repete que o Ocidente aproveitou a fraqueza pós-soviética da Rússia para dominar seus vizinhos. Com seus soldados nas fronteiras ucranianas, Putin está exigindo nada menos do que que a Aliança Atlântica retorne às suas linhas de 1997 e renuncie à arquitetura de segurança da Guerra Fria.

Alexei Makarkin resume assim: "A força motriz de Vladimir Putin é seu desejo de parar o tempo".

Veja Também



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895