Aeroporto da ilha espanhola de La Palma permanece fechado por erupção do vulcão

Aeroporto da ilha espanhola de La Palma permanece fechado por erupção do vulcão

Os fluxos de lava destruíram mais de 1 mil edifícios e cobriram uma superfície de 431 hectares

AFP

Esta é a terceira erupção de um vulcão em La Palma no último século

publicidade

O fechamento do aeroporto da ilha espanhola de La Palma se prolongou nesta sexta-feira por um período indeterminado, por causa da nuvem de cinzas provocada pela erupção do vulcão Cumbre Vieja, anunciou a gestora dos aeroportos espanhóis AENA.

O aeroporto da ilha no arquipélago atlântico das Canárias "continua inoperante pelo acúmulo de cinzas, os trabalhos de limpeza continuam", tuitou a AENA.

Consultado pela AFP, um porta-voz da AENA disse não saber quando poderá reabrir o aeroporto, já que as cinzas continuam caindo. A nuvem de cinzas obrigou também as companhias aéreas a desviarem seus voos destinados ao aeroporto no norte de Tenerife para outro que fica no sul dessa ilha do arquipélago canário, segundo a AENA.

Veja Também

As cinzas deixadas pelo Cumbre Vieja obrigaram as autoridades a fecharem o aeroporto de La Palma na manhã de quinta-feira para limpar suas pistas. O aeroporto de La Palma, uma pequena ilha de 85 mil habitantes, ficou sem receber voos de 25 a 29 de setembro, também devido às cinzas.

A erupção do vulcão, que começou em 19 de setembro, não causou nenhuma vítima, mas deixou graves danos e provocou a remoção de 6 mil pessoas, algumas das quais perderam todos os seus pertences pela lava.

Os fluxos de lava destruíram mais de 1 mil edifícios e cobriram uma superfície de 431 hectares, segundo as autoridades. Ao chegar no mar, a lava foi se solidificando e formou uma plataforma de cerca de 40 hectares.

Esta é a terceira erupção de um vulcão em La Palma no último século, depois da do San Juan em 1949 e a de Teneguía em 1971. Ambas deixaram no total três mortos, dois deles por inalação de gases tóxicos, e causaram menos danos que os do Cumbre Vieja, já que naquelas décadas a ilha era menos povoada.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895