Assassinato do presidente do Haiti é afronta a países democráticos da região, diz OEA

Assassinato do presidente do Haiti é afronta a países democráticos da região, diz OEA

Primeira-dama levou um tiro e foi hospitalizada

AE

Residência do casal foi invadida na madrugada desta quarta-feira

publicidade

A Organização dos Estados Americanos (OEA) divulgou comunicado nesta quarta-feira, no qual condena "nos mais fortes termos" o assassinato do presidente do Hati, Jovenel Moïse, "ato criminoso ocorrido na madrugada de hoje". Segundo a entidade, o episódio "é uma afronta ao conjunto da comunidade de nações democráticas representadas na Organização dos Estados Americanos (OEA)". A primeira-dama, Martine Moise, levou um tiro e foi hospitalizada.

Além de lamentar a "tentativa de minar a estabilidade institucional do país", a OEA comenta que os assassinatos políticos "não têm lugar em uma democracia", pedindo o fim de uma "política irresponsável que ameaça fazer fracassar os avanços democráticos e o futuro do país", além de prestar solidariedade ao povo haitiano "neste momento difícil".


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895