Bento XVI teve amor de juventude “muito sério”, conta jornalista
capa

Bento XVI teve amor de juventude “muito sério”, conta jornalista

Livro de entrevistas com Joseph Ratzinger será lançado na sexta-feira

Por
AFP

Livro de entrevistas com Joseph Ratzinger será lançado na sexta-feira

publicidade

O papa emérito Bento XVI viveu em sua juventude um amor "muito sério que tornou difícil sua opção pelo celibato e o sacerdócio", contou Peter Seewald, autor do livro de entrevistas com Joseph Ratzinger, titulado "Conversas Finais", que será publicado em várias línguas, na sexta-feira. "Sim, teve um amor durante seus estudos que foi muito sério", explica Seewald em uma entrevista concedida ao semanário alemão Die Zeit, em sua edição de quinta-feira, a qual a AFP teve acesso nesta quarta-feira.

"Este amor lhe causou muito tormento. Após a (Segunda) Guerra (Mundial), pela primeira vez houve meninas estudantes. Ele era realmente alguém muito elegante, um jovem bonito, um artista que escrevia poemas e lia (o prêmio Nobel de literatura alemã) Hermann Hesse", prossegue Seewald, sem esclarecer se a relação foi platônica ou não. "Um de seus companheiros de estudos me contou que (Joseph Ratzinger) impressionava as mulheres - e vice-versa. Decidir-se pelo celibato não foi algo fácil para ele", afirma o jornalista, que não dá nenhuma outra indicação sobre quem foi este amor na juventude.

No início deste ano, a BBC já havia publicado uma reportagem, baseando-se em mais de 350 cartas, na qual se defendia que João Paulo II, a quem Bento XVI sucedeu em 2005, havia vivido uma amizade intensa durante trinta anos com uma filósofa casada, Anna-Teresa Tymieniecka.

Seewald, autor de vários livros sobre o primeiro papa que renunciou a seu pontificado em sete séculos, destila nesta entrevista com o semanário alemão alguns detalhes sobre sua pessoa: é viciado em informação, gosta de ver os telejornais italianos todas as noites, e é fã dos filmes da série "Don Camilo e Pepón".

Segundo o jornal Corriere della Sera, a obra também confirma a impressão de que Ratzinger, de temperamento tão reservado, não se sentia capaz de liderar os 1,2 bilhão de católicos (que há no mundo) e uma Igreja sacudida por lutas internas e escândalos, como o dos sacerdotes pedófilos. Com 89 anos de idade, Bento XVI se recluiu após sua renúncia em 2013 em um monastério no Vaticano, e só faz aparições públicas muito esporadicamente.