Biden acumula boas notícias às vésperas da Superterça

Biden acumula boas notícias às vésperas da Superterça

O candidato vai fortalecido para a "Super Terça" pela ampla vitória na Carolina do Sul e pelas desistências de Buttigieg e Klobuchar

AFP

Resta ao democrata concorrer contra Sanders e Bloomberg

publicidade

Fortalecido pela ampla vitória na Carolina do Sul e pelas desistências de Pete Buttigieg e Amy Klobuchar, Joe Biden espera agora emergir da Superterça como o único candidato a deter Bernie Sanders nas primárias democratas que definirão o nome do partido para disputar as eleições presidenciais de novembro nos Estados Unidos.

A senadora Klobuchar vai acompanhar Biden na noite desta segunda-feira em um comício em Dallas, Texas, um dos 14 estados a votar na chamada "Super Tuesday". Esta nova desistência, no dia seguinte da de Buttigieg, reduz o pelotão da corrida democrata à Casa Branca a apenas cinco aspirantes e a via do centro se abriu amplamente para Biden.

Mas antes de reduzir a corrida democrata a um duelo de septuagenários com posições muito diferentes, o ex-vice-presidente de Barack Obama deverá ter em conta durante a ampla disputa eleitoral de terça um terceiro competidor: Mike Bloomberg, também septuagenário. O empresário nova-iorquino de 78 anos, um dos dez homens mais ricos do mundo, usa uma tática inédita, pois saltou os quatro primeiros estados (Iowa, New Hampshire, Nevada e Carolina do Sul) a votar nas primárias.

Bloomberg, que já investiu mais de 500 milhões de dólares em propaganda política - um recorde - joga alto para sua entrada na disputa desta terça nos 14 estados que vão votar na chamada "Super Tuesday". Um marcado resultado negativo praticamente quebraria sua campanha antes de emergir e deixaria Biden como o único moderado diante de Sanders, o autoproclamado "socialista democrata", cujas ideias esquerdistas inquietam parte da classe política democrata.

"As pessoas não querem uma revolução", disse Biden no domingo, no dia seguinte à sua ampla vitória na Carolina do Sul, apresentando-se uma vez mais, valendo-se de sua ampla carreira política, como o candidato mais bem posicionado para tirar Donald Trump da Casa Branca. "A 'Super Tuesday' é uma questão de dinâmica e a dinâmica está conosco", insistiu nesta segunda-feira em declarações à CNN Kate Bedingfield, uma das encarregadas de sua equipe de campanha.

Revanchista - "A mídia e os analistas tinham nos enterrado" -, o ex-vice-presidente também reservou uma alfinetada para Bloomberg, que no passado militou nas fileiras republicanas antes de mudar de lado: "O Partido Democrata quer um democrata (...), não um ex-republicano".

"Muito oportuno"

Biden, que fazia campanha no Texas nesta segunda-feira, também espera aproveitar em grande medida a saída de Pete Buttigieg, que professava as mesmas ideias moderadas.

O próprio Trump fez essa análise no domingo: "Pete Buttigieg está fora. Todos os seus votos da 'Super Tuesday' irão para o sonolento Joe Biden. Muito oportuno", escreveu o presidente no Twitter. "Os democratas começam realmente a tirar Bernie do jogo".

Desconhecido há um ano, o "Mayor Pete", ex-prefeito de uma cidade de Indiana, progressivamente subiu os principais escalões da corrida democrata até vencer no começo de fevereiro a primeira votação das primárias, em Iowa.

Mas seus decepcionantes resultados em Nevada e na Carolina do Sul lançaram luz sobre sua dificuldade em atrair os eleitores negros e hispânicos, e o jovem de 38 anos, homossexual assumido, declarou sua retirada a fim de "unir" o partido para derrotar Trump em 3 de novembro. Segundo a empresa Morning Consult, seus votos seriam distribuídos em partes iguais entre Bernie Sanders, Joe Biden e Mike Bloomberg. 

Na véspera da Superterça, as pesquisas são amplamente favoráveis a Sanders. O senador liderava em três (Califórnia, Texas e Virgínia) dos quatro estados com o maior número de delegados para a convenção que decidirá no final de julho o nome do candidato democrata que vai disputar a eleição presidencial. Só a Carolina do Norte se posicionava a favor de Biden, que no entanto está mais bem posicionado em nível geral do que Bloomberg.

Nesta segunda, o bilionário lançou nova propaganda de campanha apontando a seus adversários democratas, sem mencionar ninguém em particular. "Nenhum outro democrata criou mais de 450.000 postos de trabalho", inicia o ex-prefeito de Nova York. "Nenhum outro democrata resistiu tanto ao lobby das armas. Nenhum outro democrata tem o meu histórico de luta contra o aquecimento global. Nenhum outro democrata vencerá Trump".


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895