Bolívia: após anunciar candidatura, Áñez pede a renúncia de ministros
capa

Bolívia: após anunciar candidatura, Áñez pede a renúncia de ministros

Presidente interina defendeu que é habitual que ocorram ajustes na equipe de trabalho do órgão executivo

Por
Agência Brasil

Áñez havia garantido que seu governo seria apenas "interino" e duraria até a realização do próximo pleito

publicidade

A Secretaria da Presidência da Bolívia anunciou em um comunicado oficial que a presidente interina do país, Jeanine Áñez, solicitou a renúncia de todos os ministros de seu gabinete "para encarar a nova etapa da gestão de transição democrática". 

A presidente interina defendeu que é habitual que ocorram ajustes na equipe de trabalho do órgão executivo, às vésperas da inscrição dos candidatos. O pedido de Áñez vem apenas dois dias após ela confirmar a sua candidatura à presidência da República nas eleições do próximo dia 3 de maio. 

Inicialmente, Áñez havia garantido que seu governo seria apenas "interino" e duraria até a realização do próximo pleito. A decisão de Áñez, de se candidatar, gerou incômodo. A ministra das Comunicações do atual governo, Roxana Lizárraga, anunciou ontem a sua renúncia irrevogável ao cargo. 

Na carta de demissão, ela criticou a candidatura de Áñez. "Está claro que nosso governo de transição perdeu seus objetivos. Não se pode esconder o fato de que o governo começou a sofrer os mesmos males do masismo (referência às ações do governo de Evo Morales, do partido Movimento ao Socialismo - MAS) que estamos combatendo." 

O ex-presidente e principal opositor de Evo Morales nas eleições anuladas do ano passado, Carlos Mesa, escreveu um artigo em que afirma que a candidatura de Áñez "não faz mais do que reforçar as afirmações do ex-presidente fugido e do coro que lhe faz eco, de que na Bolívia, sim, houve um golpe de Estado". 

Mesa disse ainda que quando Áñez "decide deixar de lado sua principal responsabilidade, abandona a neutralidade e deslegitima a única razão pela qual ela ocupa o cargo que assumiu há mais de dois meses". 

Evo Morales, em sua conta do Twitter, também criticou a decisão da presidente interina. "A autoproclamada presidente Áñez disse à comunidade internacional que não deu golpe de Estado na Bolívia, que conduzia um 'governo de transição'; no entanto a sua candidatura para as eleições mostra que o seu único afã ao arrebatar o poder foi rifar nossos recursos estratégicos." 

A Procuradoria Geral da República da Bolívia afirmou que a candidatura de Áñez, e o exercício simultâneo do cargo, são compatíveis com a supremacia constitucional, a soberania popular e o sistema democrático de direito na Bolívia. 

Ainda de acordo com a Procuradoria, os concorrentes não têm a obrigação de renunciar ao cargo, podem permanecer nele e exercer plenamente todas as suas prerrogativas e poderes.