Brasileiros vieram da selva e argentinos, de barco da Europa, diz Fernández

Brasileiros vieram da selva e argentinos, de barco da Europa, diz Fernández

Em encontro com primeiro-ministro espanhol, Alberto Fernández se confunde com citações e faz declaração xenofóbica

AE

O comentário de Fernández viralizou na internet, onde recebeu críticas por seu teor racista

publicidade

O presidente argentino, Alberto Fernández, afirmou nesta quarta-feira, que brasileiros vieram da selva e argentinos, de barco da Europa. "Os mexicanos vieram dos índios, os brasileiros vieram da selva, mas nós argentinos chegamos com os barcos. E os barcos vinham de lá, da Europa. E foi assim que construímos nossa sociedade", disse. A declaração foi feita durante um encontro com o premiê da Espanha, Pedro Sánchez.

Fernández creditou sua inspiração a uma frase erroneamente atribuída ao diplomata mexicano e Prêmio Nobel da Paz Octavio Paz, que teria dito "os mexicanos são descendentes de astecas, os peruanos dos incas e os argentinos dos barcos".

Meios de comunicação locais, no entanto, identificaram que o trecho vem de uma música chamada Llegamos de los barcos, do cantor argentino Litto Nebbia, que diz exatamente as mesmas palavras.

O comentário de Fernández viralizou na internet, onde recebeu críticas por seu teor racista. O presidente argentino, então, se desculpou pela declaração nas suas redes sociais. 

Embora grande parte da população argentina seja composta por descendentes de imigrantes, muitos deles vindos da Europa no século 19 e 20, o país tem uma importante herança indígena, que mescla as culturas incas, mapuches, patagônicas entre outras etnias. O país também teve mão de obra africana durante seu período colonial.

Na segunda metade do século 19, a Campanha do Deserto (1878-1885), liderada pelo general Julio Argentino Roca, conquistou as estepes do sul do país, amplamente povoada por povos originários. A maioria deles foi aculturada, morta e submetida a trabalhos forçados. Muitos dos escravos afroamericanos argentinos também morreram durante a Guerra do Paraguai (1864-1870).

Veja Também


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895