Cardeal francês é condenado por silêncio diante de abusos sexuais
capa

Cardeal francês é condenado por silêncio diante de abusos sexuais

Sacerdote teria abusado de 80 crianças durante décadas e maioria dos crimes prescreveu

Por
AE

Em cartas às vítimas, Barbarin confessou abusos durante investigação

publicidade

O cardeal francês Philippe Barbarin foi condenado nesta quinta-feira a seis meses de prisão com suspensão da pena por seu silêncio sobre os abusos sexuais cometidos contra menores de idade por um padre de sua diocese. A presidente do tribunal correcional de Lyon o declarou "culpado por não ter denunciado os maus-tratos" contra um menor entre 2014 e 2015. O prelado, de 68 anos, não estava no local para ouvir o veredicto.

Os advogados do cardeal anunciaram que pretendem apresentar um recurso contra a sentença. "A motivação do tribunal não me convence. Portanto, vamos apelar contra a decisão por todas as vias do direito", disse Jean-Félix Luciani.

Philippe Barbarin é a maior autoridade da Igreja Católica processada na França por casos de abusos de menores. A condenação do cardeal demonstra a crescente afirmação das autoridades civis em todo o mundo em relação às autoridades da Igreja que encobrem o abuso sexual clerical.

A intervenção das autoridades civis colocou pressão significativa sobre os líderes da Igreja para se policiarem de forma mais rigorosa - mas o Vaticano e muitos bispos ainda estão tendo dificuldades em responder.

O padre Preynat confessou, em cartas e às vítimas, durante a investigação, os crimes praticados. Das 80 vítimas, apenas sete não viram os crimes prescrever. Preynat deverá começar a ser julgado este ano.