Cerca de 500 pessoas deixam Gaza após reabertura da passagem de Rafah

Cerca de 500 pessoas deixam Gaza após reabertura da passagem de Rafah

Segundo o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, 32 brasileiros e familiares estão no grupo que cruzou a fronteira

AFP

publicidade

Um grupo de cerca de 500 pessoas com passaporte estrangeiro e alguns palestinos feridos foram retirados, neste domingo, 12, da Faixa de Gaza, bombardeada por Israel, e levados para o Egito, de acordo com informações de ambos os lados da fronteira.

"Quinhentos portadores de passaportes estrangeiros de 15 países diferentes entraram no Egito", disse à AFP um funcionário de segurança que pediu para não ser identificado.

A rede AlQahera News, próxima dos serviços de Inteligência egípcios, informou que "sete palestinos feridos" também cruzaram a passagem de Rafah, fechada na sexta-feira e no sábado.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, 32 brasileiros e familiares estão no grupo que cruzou a passagem de Rafah neste domingo.

"Grupo de 32 brasileiros e familiares já se encontra em território egípcio, onde foi recebido por equipe da embaixada do Brasil no Cairo, responsável pela etapa final da operação de repatriação", escreveu o Itamaraty em seu perfil na rede social X, o antigo Twitter.

A autoridade fronteiriça do governo do Hamas, que controla a Faixa de Gaza, solicitou na noite de sábado que "todos os titulares de passaportes estrangeiros e as pessoas inscritas nas listas de evacuação" se apresentassem ao terminal localizado no extremo-sul do território palestino.

Desde 1º de novembro, dezenas de palestinos feridos foram levados para hospitais egípcios, e centenas de pessoas com dupla nacionalidade, ou estrangeiras, incluindo americanos, russos, franceses e alemães, também atravessaram a passagem de Rafah.

O terminal não abre todos os dias, muitas vezes, devido a divergências sobre quais feridos devem ser transferidos. O Hamas exige garantias de segurança para evacuar as ambulâncias que transportam feridos, depois que uma delas foi bombardeada pelo Exército israelense. Já Israel acusa o movimento islamista de usar hospitais e ambulâncias para lançar ataques.

Além do grupo de brasileiros e familiares, entre os que deixaram Gaza neste domingo estão 101 romenos, 60 russos e um número não especificado de poloneses, de acordo com anúncio feito pelos respectivos países.

A guerra entre Israel e o Hamas foi deflagrada pelo sangrento ataque do movimento islamista palestino em solo israelense em 7 de outubro, que deixou cerca de 1.200 mortos, segundo as autoridades.

Em represália, Israel prometeu "aniquilar" o Hamas, bombardeando sem trégua o território sitiado onde vivem 2,4 milhões de palestinos.

Mais de 11.000 pessoas morreram na Faixa de Gaza, segundo o último balanço do Ministério da Saúde do Hamas. Há dois dias os números de vítimas não são atualizados, devido ao colapso dos serviços hospitalares.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895