Chile inicia trâmites para saques de fundos de pensão
capa

Chile inicia trâmites para saques de fundos de pensão

Uma semana após a aprovação da lei que permite o resgate de até 10% do dinheiro acumulado, as AFP começaram a receber os pedidos de cerca de 11 milhões de investidores habilitados

Por
AFP

Segundo a Associação de AFP, mais de 1 milhão de pedidos haviam sido aceitos até o meio-dia


publicidade

Com longas filas em frente às Administradoras de Fundos de Pensão (AFP) e um grande tráfego de usuários nos sites destas empresas, foram habilitados nesta quinta-feira, no Chile, os trâmites para os saques antecipados de parte dos fundos de pensão.

Uma semana após a aprovação da lei que permite o resgate de até 10% do dinheiro acumulado, as AFP começaram a receber os pedidos de cerca de 11 milhões de investidores habilitados. Segundo a Associação de AFP, mais de 1 milhão de pedidos haviam sido aceitos até o meio-dia.

Os trâmites podem ser feitos inteiramente pela internet, mas milhares de pessoas, principalmente imigrantes, optaram por comparecer pessoalmente aos escritórios das administradoras no centro de Santiago e em outras cidades chilenas. "Estimamos que a maioria das pessoas que irão sacar os 10% realmente precisam deste dinheiro, devido ao contexto atual", disse o gerente-geral da Associação de AFP, Fernando Larraín.

A medida é amplamente apoiada pela população chilena, castigada pela crise econômica derivada do coronavírus. Segundo uma pesquisa Data Influye, 32% das pessoas irão usar o dinheiro para pagar dívidas; 21%, para comprar alimentos ou artigos de primeira necessidade; e 18%, para poupar ou investir. Uma vez iniciados os trâmites, as AFP têm 10 dias para liberar o dinheiro solicitado, em até duas parcelas.


O resgate dos fundos de pensão foi promovido pela oposição e representou uma dura derrota para o governo do presidente Sebastián Piñera, conservador.