China pressionou UE para amenizar críticas em relatório sobre desinformação e novo coronavírus
capa

China pressionou UE para amenizar críticas em relatório sobre desinformação e novo coronavírus

Porta-voz do Serviço Europeu de Ação Externa nega e diz que órgão nunca se curva à "suposta pressão política"

Por
Correio do Povo

Artigo do NYT citou e-mail de um consultor sênior do principal diplomata da UE, Josep Borrell, que teria ordenado que o relatório fosse retido


publicidade

Um relatório da União Europeia sobre desinformação chinesa e russa sobre do novo coronavírus foi suavizado após pressão de Pequim. Três pessoas confirmaram que diplomatas chineses exerceram pressão sobre o bloxo para alterar a redação do texto, cujos detalhes foram relatados pela primeira vez em Bruxelas na terça-feira. O documento sobre "narrativas e desinformação" em torno da pandemia de Covid-19 foi publicado na sexta-feira com uma linguagem bastante atenuada na China.

Referências à China em campanha de "desinformação global" e as críticas chinesas à reação da França à pandemia foram apagadas."Fontes oficiais e apoiadas pelo estado de vários governos, incluindo a Rússia e – em menor grau – a China, continuaram focando amplamente em narrativas de conspiração e desinformação", dizia a versão final. Um funcionário da UE disse que a missão chinesa protestou através de vários canais diplomáticos.

O New York Times noticiou na sexta-feira sobre a pressão chinesa, citando um diplomata da UE que escreveu a colegas que "os chineses estavam ameaçando com reações se o relatório saísse". O artigo também citou um e-mail de um consultor sênior do principal diplomata da UE, Josep Borrell, que ordenou que o relatório fosse retido e "pediu aos analistas para diferenciar entre pressionar a desinformação e pressionar agressivamente uma narrativa".

Um funcionário  que discordou das mudanças foi citado dizendo que os diplomatas do bloco estavam "autocensurando para apaziguar o Partido Comunista Chinês". Peter Stano, porta-voz do Serviço Europeu de Ação Externa (SEAE), disse no sábado que "as publicações do organismo são categoricamente independentes. Nunca nos curvamos a nenhuma suposta pressão política externa. Isso inclui também nossa mais recente visão geral sobre tendências de informações".

Ele disse que o artigo do New York Times faz "alegações improcedentes e improcedentes e contém conclusões factualmente incorretas sobre o relatório do SEAE", acrescentando que "desinformação e narrativas prejudiciais podem arcar graves riscos potenciais para nossos cidadãos, inclusive para sua saúde".