Com mais 651 mortes, óbitos pelo novo coronavírus chegam a 5.476 na Itália
capa

Com mais 651 mortes, óbitos pelo novo coronavírus chegam a 5.476 na Itália

"Não podemos baixar a guarda", pediu o chefe da Proteção Civil, Angelo Borrelli

Por
Correio do Povo

País é o atual epicentro da doença

publicidade

No dia em que foram descobertos 12 infectados pelo novo coronavírus dentro da Proteção Civil – o chefe do departamento, Angelo Borrelli, que divulga diariamente o boletim sobre a Covid-19, testou negativo – foram registradas 651 mortes nas últimas 24 horas (ontem foram 793), o que eleva o total para óbitos decorrente da doença para 5.476. Houve 3.957 recém-infectados, menos que ontem quando 4.821 foram registrados, um total de 46.638; os curados totalizam 7.024, enquanto enfermos em terapia intensiva são 3.009. "Não podemos baixar a guarda, mantendo as medidas tomadas e a respeitando as indicações da decisão do governo", disse o comissário a durante a conferência de imprensa.

"Não queremos ser apanhados com entusiasmo fácil ou superestimar uma tendência", mas a queda no número diário de infecções é "um sinal que captamos acima de tudo porque começa a se aproximar da distância temporal em que esperamos ver sinais tangíveis da eficácia das medidas", disse Franco Locatelli, diretor do Conselho Superior de Saúde. "Depois do que foi comunicado pelo primeiro-ministro (Giuseppe) Conte, acrescentou, "alcançamos o máximo de medidas de prevenção de contágio em termos de atividades sociais e não de trabalho".

O presidente do Conselho Superior de Saúde completou: "é essencial manter medidas rigorosas para conter indivíduos que tenham testado positivo para o coronavírus, tanto quanto possível em contextos familiares. É outro sacrifício que é solicitado ao país, mas é importante. Caso contrário, corremos o risco perpetuar o mecanismo de propagação do vírus. É um apelo ao senso de responsabilidade de todos os familiares de pacientes positivos ".