Comissão Europeia diz que ausência de acordo prejudicaria mais o Reino Unido que a UE

Comissão Europeia diz que ausência de acordo prejudicaria mais o Reino Unido que a UE

Boris Johnson já alertou que não pretende solicitar extensões para negociar o futuro relacionamento

AFP

Ursula von der Leyen afirmou que, nesse cenário, a UE continuaria se beneficiando

publicidade

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, advertiu nesta quarta-feira que não alcançar um acordo sobre a futura relação, especialmente comercial, entre a União Europeia e o Reino Unido prejudicaria mais os britânicos que os sócios europeus.

"Se não conseguirmos chegar a um acordo até (o fim de) 2020, estaremos novamente em uma situação limite. E isto claramente prejudicaria nossos interesses, mas afetará ainda mais o Reino Unido", disse Von der Leyen aos eurodeputados reunidos em Estrasburgo (França). A conservadora alemã disse que, nesse cenário, a UE continuaria se beneficiando do mercado único europeu e da união aduaneira, além de acordos internacionais assinados pelo bloco com parceiros de países terceiros. 

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson, cuja conquista de uma maioria nas eleições legislativas da semana passada lhe permite aprovar o acordo de divórcio e consumar o Brexit em 31 de janeiro, já alertou que não pretende solicitar extensões para negociar o futuro relacionamento. Se não houver prorrogações, Londres e Bruxelas deverão alcançar um novo quadro diplomático e comercial até 31 de dezembro de 2020, embora especialistas e diplomatas europeus acreditem que 11 meses são um período curto para negociações que geralmente levam anos. "O calendário à nossa frente é um grande desafio", acrescentou a presidente da Comissão, que se comprometeu a organizá-lo o mais rápido possível e providenciar o mandato de negociação para 1º de fevereiro.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895