Comitê abre investigação para determinar se será iniciado processo de destituição de Trump
capa

Comitê abre investigação para determinar se será iniciado processo de destituição de Trump

Democratas da Câmara votaram para aprovar diretrizes para audiências de impeachment do presidente

Por
AFP

Resultado estabelece parâmetros para as audiências e dá aos legisladores mais poderes para investigar o presidente

publicidade

Os democratas americanos deram um novo passo nesta quinta-feira em suas investigações sobre o presidente Donald Trump, integrando-as oficialmente no contexto de um processo de impeachment, embora o partido de oposição continue dividido sobre o tema. O poderoso Comitê Judicial da Câmara de Representantes, nas mãos do partido opositor, formalizou a abertura de uma investigação para determinar se será iniciado um procedimento de destituição contra o presidente. A votação seguiu a divisão partidária da composição do grupo e terminou em 24 a 17.

A iniciativa ainda está em uma etapa preliminar e longe de virar um processo de impeachment, mas permitirá aos congressistas exigirem mais documentos e audiências à Casa Branca. Assim, o comitê adotou procedimentos para permitir que advogados do comitê questionassem testemunhas e estabelecessem regras para a evidência. Essa resolução "representa o passo necessário em nossa investigação por corrupção, obstaculização (à justiça) e abuso de poder", declarou o presidente do comitê, Jerry Nadler. Embora seja técnica, a votação do comitê também se move para instalar novos procedimentos para sua diligência, permitindo que Nadler designe quais audiências do comitê e do subcomitê estão relacionadas à investigação, dê tempo ao conselho tempo extra para interrogar testemunhas e receber evidências em uma sessão executiva fechada.

Nos Estados Unidos, a Câmara baixa pode votar para acusar o presidente por certos delitos. O Senado deve julgá-lo depois, o que pode resultar em uma absolvição ou destituição. Tudo começa com uma investigação do Comitê Judicial, que determina os delitos. A investigação parlamentar se concentrará em quatro temas. Primeiro, em abordar a pressão exercida por Trump sobre as investigações da suposta ingerência russa na campanha presidencial de 2016, para determinar se é culpado de obstruir a justiça. 

Depois, as promessas feitas por Trump aos membros de sua equipe de campanha, os quais teria encorajado a protegê-lo. Também nos possíveis conflitos de interesse relacionados aos hotéis e propriedades de Trump desde que chegou à Casa Branca. E, finalmente, investigará o pagamento de dinheiro para comprar o silêncio de supostas antigas amantes do magnata durante a campanha de 2016, o que poderia supor uma violação das leis de financiamento de campanhas. "A conduta sob investigação é uma ameaça para nossa democracia e temos a obrigação de responder a essa ameaça", declarou Nadler.