Conversar com talibãs sobre retiradas não é reconhecê-los, diz Macron

Conversar com talibãs sobre retiradas não é reconhecê-los, diz Macron

Diálogo é necessário para realizar as evacuações no Afeganistão

AFP

Conversar com talibãs sobre retiradas não é reconhecê-los, diz Macron

publicidade

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse neste domingo (29) que os diálogos que seu governo mantém com os talibãs sobre a retirada de franceses e pessoas em perigo no Afeganistão não significa um reconhecimento ao movimento radical islâmico como novo poder do país.

A França e outros países ocidentais revelaram nos últimos dois dias que mantêm diálogos com os talibãs sobre como evacuar pessoas depois da saída das tropas americanas e de outros países.

"Estamos realizando operações para as evacuações no Afeganistão. Os talibãs são os que detêm o poder. Devemos ter conversações do ponto de vista prático. Isso não significa que haverá reconhecimento", disse Macron à emissora de televisão TF1 durante sua visita ao Iraque.

"Pusemos condições", disse Macron, destacando que os talibãs devem respeitar o direito humanitário, autorizando a saída dos que podem ter asilo e também ter "uma linha muito clara" contra todos os movimentos terroristas. No campo dos direitos humanos, também devem "respeitar em particular a dignidade das mulheres", ressaltou.

A França retirou cerca de 3.000 pessoas do Afeganistão. Mas Macron disse que poderia haver ainda centenas ou milhares de pessoas que precisam ser retiradas pela França.

Veja Também


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895