Cuba permite pela primeira vez o uso de cartão de débito americano

Cuba permite pela primeira vez o uso de cartão de débito americano

Para adquirir o cartão, americanos devem demonstrar que viajarão para a ilha por uma das categorias permitidas

AFP

publicidade

Um banco americano anunciou nesta quinta-feira que a partir de agora oferecerá cartões de débito para americanos em Cuba, a primeira vez que isso acontece desde o anúncio do degelo entre os dois países, há quase um ano. O banco Stonegate, com sede na Flórida, informa em um comunicado que os americanos poderão usar cartões de débito MasterCard nos diferentes pontos de venda da ilha, como em hotéis, restaurantes e outros negócios que permitam seu uso.

Em janeiro, pouco mais de um mês depois do anúncio da retomada de relações, a MasterCard e a American Express anunciaram que permitiriam o uso em Cuba de seus cartões de crédito emitidos nos Estados Unidos. 

O uso de cartões em Cuba faz parte das flexibilizações do embargo americano anunciadas pelo presidente Barack Obama após a reaproximação entre EUA e Cuba, em 17 de dezembro de 2014. "Este é outro passo para aliviar o peso dos viajantes americanos que precisam levar dinheiro à Cuba e outro passo na normalização das relações comerciais entre ambos os países", afirmou o presidente do Stonegate, Dave Seleski.

Para adquirir o cartão de débito, os americanos devem demonstrar que viajarão para Cuba em uma das 12 categorias permitidas atualmente, que incluem razões familiares, pesquisas profissionais e atividades jornalísticas.

Embora o turismo continue proibido pelo embargo americano, empresas que organizam viagens de americanos para Cuba sob as 12 categorias e empresas de voos charter à ilha têm registrado um aumento crescente da demanda.

Abertura a conta-gotas


Por enquanto, o cartão de débito só poderá ser usado para compras ou para o pagamento de serviços. Stonegate espera que o cartão possa ser utilizado nos caixas eletrônicos a partir de 2016. 

O Stonegate, um pequeno banco com sede em Pompano Beach, Flórida (sudeste dos EUA), esteve na vanguarda do processo de aproximação entre Estados Estados Unidos e Cuba. Em maio, aceitou abrir uma conta para o Consulado cubano em Washington, que por mais de um ano teve problemas para funcionar, pois nenhum banco aceitava sua conta por medo de sofrer sanções do governo, por causa do embargo à ilha.

Poucos dias depois que Washington e Havana restabeleceram suas relações diplomáticas, em 20 de julho desse ano, o Stonebank se transformou no primeiro banco americano a assinar um acordo para realizar transações financeiras entre os dois países.

A MasterCard, que participou em uma visita à Cuba de um grupo de empresários junto ao governador de Nova York, Andrew Cuomo, em abril passado, comemorou o anúncio desta quinta-feira. "À medida que a infraestrutura continuar a se desenvolver na ilha, esse tipo de avanço dará força ao esforço coletivo (...) de oferecer a nossos usuários uma via conveniente e segura para pagar em Cuba", disse Jeff Wilson, diretor da MasterCard.

Desde o histórico anúncio de dezembro de 2014, o governo Obama emitiu decretos administrativos que removem algumas restrições ao comércio bilateral, as operações de empresas americanas em Cuba e as viagens à ilha.

Praticamente toda relação comercial entre os dois países continua restrita pelo embargo, que só pode ser suspenso pelo Congresso americano, controlado atualmente pela oposição republicana.

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895