Egito confirma primeiro caso de novo coronavírus na África
capa

Egito confirma primeiro caso de novo coronavírus na África

Portador da doença foi colocado em quarentena

Por
AFP

Paciente foi transferido para o hospital e colocado em quarentena para tratamento

publicidade

O ministério da Saúde do Egito anunciou nesta sexta-feira que registrou o primeiro caso de novo coronavírus no continente africano. Segundo o comunicado do governo, o portador da doença não é egípcio. Não foi especificada a nacionalidade. A Organização Mundial de Saúde (OMS) foi informada e o paciente, que não apresentava sintomas, foi transferido para o hospital e colocado em quarentena para tratamento.

O Egito tem grandes vínculos comerciais com China. O país africano suspendeu no começo de fevereiro os voos da companhia nacional com a China. Cerca de 300 egípcios foram evacuados em fevereiro da cidade de Wuhan, epicentro da epidemia do novo coronavírus, e foram colocados em quarentena durante 14 dias.

Hoje, o balanço da epidemia do novo coronavírus se aproxima de 1.400 mortos na China, incluindo seis profissionais da área da saúde. O país registra quase 64.000 casos de contágio, incluindo 1.716 médicos e enfermeiros que trabalham em contato com os pacientes, segundo a Comissão Nacional de Saúde. A grande maioria (1.102) dos contágios aconteceu na cidade de Wuhan, capital da província de Hubei e berço da epidemia de pneumonia viral Covid-19.

O anúncio foi feito uma semana depois da morte, em consequência do vírus, do médico Li Wenliang, que havia alertado as autoridades no início da epidemia. Na ocasião, ele foi convocado pela polícia, que o acusou de propagar boatos. As autoridades se esforçam para distribuir equipamentos de proteção nos hospitais de Wuhan. Muitos médicos ainda tratam os pacientes sem máscaras, ou trajes de proteção adequados, ou usam várias vezes o mesmo material, que deveria ser trocado com regularidade. Em nível nacional, as autoridades chinesas informaram nesta sexta-feira a ocorrência de 121 mortes no país nas últimas 24 horas, elevando o total de mortos para 1.380.