EUA diz que príncipe saudita autorizou "capturar ou matar" jornalista Khashoggi

EUA diz que príncipe saudita autorizou "capturar ou matar" jornalista Khashoggi

Informe foi escrito logo depois que o jornalista foi assassinado em outubro de 2018

AFP

Príncipe via Khashoggi como uma "ameaça para o reino", segundo a Inteligência americana

publicidade

Os Estados Unidos suspenderam o sigilo de um relatório de Inteligência explosivo que revela que o príncipe-herdeiro da Arábia Saudita, Mohamed bin Salman, autorizou "capturar ou matar" Jamal Khashoggi, um jornalista radicado nos Estados Unidos.

Em um informe de dois anos atrás, divulgado pelo governo do presidente Joe Biden, a Inteligência americana concluiu que o príncipe "aprovou uma operação em Istambul, Turquia". O príncipe saudita via Khashoggi como uma "ameaça para o reino", segundo a Inteligência americana.

Veja Também

O informe foi escrito logo depois que o jornalista foi assassinado em outubro de 2018 no consulado de seu país em Istambul, mas o então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não quis publicá-lo. Ele poderia implicar diretamente o poderoso príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohamed bin Salmane.

O crime

Khashoggi era um jornalista crítico ao reino saudita. Ele se radicou nos Estados Unidos após cair em desgraça com o príncipe-herdeiro. Em outubro de 2018, ele entrou no consolado saudita em Istambul para pedir uma certidão para se casar com sua noiva.

Segundo as autoridades turcas, ele foi assassinado na sede diplomática em 2 de outubro por um esquadrão de 15 sauditas que primeiro o estrangularam e depois esquartejaram seu corpo. Seus restos mortais nunca foram encontrados.

O relatório, de dois anos atrás, foi divulgado nesta sexta-feira de forma parcial pelo governo do presidente Joe Biden. O informe destaca que dada a influência do príncipe-herdeiro, é "altamente improvável" que o assassinato do jornalista acontecesse sem uma luz verde de sua parte.

"O príncipe-herdeiro vê Khashoggi como uma ameaça para o reino e em termos gerais apoiou o uso de medidas violentas para silenciá-lo", destacou o relatório.

Após a suspensão do sigilo, os Estados Unidos anunciaram sanções contra 76 sauditas relacionados com a morte de Khashoggi e proibirão a entrada ao país de pessoas que ameaçarem dissidentes em seus países de origem. "Deixamos claro que as ameaças extraterritoriais e os ataques da Arábia Saudita contra ativistas, dissidentes e jornalistas têm que terminar. Não serão tolerados pelos Estados Unidos", afirmou o chefe da diplomacia americana, Antony Blinken, em um comunicado.

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895