EUA reforçam presença no Oriente Médio e alertam para 'escalada regional'

EUA reforçam presença no Oriente Médio e alertam para 'escalada regional'

Washington ordenou hoje a retirada dos funcionários não essenciais da sua embaixada em Bagdá e do seu consulado em Erbil

AFP

Washington ordenou hoje a retirada dos funcionários não essenciais da sua embaixada em Bagdá e do seu consulado em Erbil

publicidade

Os Estados Unidos alertaram neste domingo para uma “escalada regional" da guerra entre Israel e o Hamas, horas depois de o Pentágono tomar medidas para reforçar seu dispositivo militar no Oriente Médio.

Pouco depois de o Pentágono anunciar um reforço militar na região diante das "escaladas recentes do Irã e de suas forças afiliadas”, o secretário de Defesa, Lloyd Austin, e o secretário de Estado, Antony Blinken, expressaram preocupação com o risco de uma conflagração regional. 

Além disso, Washington ordenou hoje a retirada dos funcionários não essenciais da sua embaixada em Bagdá e do seu consulado em Erbil.

A comunidade internacional teme que a guerra iniciada no último dia 7 se espalhe para outros países do Oriente Médio, e o Irã alertou que a região "é um barril de pólvora".

“Estamos preocupados com a possibilidade de que intermediários do Irã intensifiquem seus ataques contra os nossos próprios funcionários, a nossa própria gente", disse Blinken ao canal CBS News. “Ninguém deveria aproveitar este momento para aumentar os ataques contra Israel ou contra o nosso pessoal" militar e civil naquela região, acrescentou.

Os Estados Unidos “não hesitarão em agir” militarmente contra qualquer “organização ou país que esteja tentando expandir” o conflito entre Israel e o Hamas no Oriente Médio, advertiu Lloyd Austin, sem citar nem o Irã, nem o Hezbollah, acusados hoje por Israel de "arrastar o Líbano para uma guerra".

O secretário de Defesa americano alertou no ABC News para “aqueles que tentarem expandir o conflito. Nosso conselho é: ‘Não faça isso’. Mantemos o nosso direito de defesa e não hesitaremos em agir em consequência.”

"De fato, o que vemos é a perspectiva de uma escalada significativa de ataques contra as nossas tropas e os nossos cidadãos naquela região", acrescentou Austin. Os Estados Unidos farão “o que for necessário para garantir que nossas tropas estejam bem posicionadas, protegidas, e que tenhamos capacidade de responder”, advertiu.

O presidente americano, Joe Biden, discutiu hoje a guerra no Oriente Médio com os líderes das principais potências ocidentais, informou a Casa Branca. Biden conversou com os líderes de Reino Unido, Canadá, França, Alemanha e Itália. Um resumo das discussões será divulgado mais tarde.

O presidente americano também falou com o Papa e com o premier de Israel, Benjamin Netanyahu.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895