EUA rejeita pedido do Iraque para discutir retirada de tropas

EUA rejeita pedido do Iraque para discutir retirada de tropas

Parlamento iraquiano votou pela saída dos 5,2 mil soldados americanos do país após um ataque dos Estados Unidos em Bagdá

AFP

Iraque pediu a saída de soldados dos Estados Unidos do país

publicidade

Os Estados Unidos rejeitaram nesta sexta-feira discutir a retirada de suas tropas do Iraque depois que Bagdá pediu a Washington que envie uma delegação para iniciar os preparativos neste sentido. "Nesse momento, seria melhor enviar uma delegação ao Iraque para discutir a melhor maneira de reconfirmar nossa parceria estratégica, e não por discutir a retirada de tropas", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Morgan Ortagus em comunicado.

O parlamento iraquiano votou no domingo pela retirada dos 5.200 soldados americanos no Iraque após um ataque dos Estados Unidos em Bagdá no início de janeiro, no qual o principal general do Irã Qassem Soleimani e o líder da milícia iraquiana pró-Irã Abu Mehdi Al Muhandis morreram. O ataque reaviveu o sentimento anti-americano no Iraque. O primeiro-ministro iraquiano, Adel Abdel Mahdi, pediu ao secretário de Estado americano, Mike Pompeo, que enviasse uma delegação para implementar a decisão do parlamento e organizar a partida das tropas.

O Departamento de Estado defendeu a presença de tropas americanas no Iraque, destacadas com o objetivo de combater o grupo jihadista Estado Islâmico (EI). Os Estados Unidos invadiram o Iraque em 2003 para derrubar o ditador Saddam Hussein, causando derramamento de sangue em todo o país.

Após uma retirada ordenada pelo ex-presidente Barack Obama, as tropas dos EUA foram convidadas em 2014 a voltar ao país para ajudar a derrotar o grupo extremista EI. Mas sob o presidente Trump, o Iraque se tornou cada vez mais um campo de batalha entre os Estados Unidos e o Irã. Milícias xiitas iraquianas apoiadas pelo Irã lançaram mísseis esta semana contra bases americanas no Iraque, enquanto o governo Trump tenta pressionar o Irã com sanções econômicas draconianas.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895