Favorito nas primárias democratas, Biden se mostra combativo em debate nos EUA
capa

Favorito nas primárias democratas, Biden se mostra combativo em debate nos EUA

Ex-vice-presidente defendeu posições centristas em debate de pré-candidatos

Por
AFP

Biden escapou de críticas de opositores postulantes à candidatura

publicidade

O ex-vice-presidente Joe Biden, favorito nas primárias democratas, se mostrou combativo em um debate na quinta-feira à noite, atacando os principais rivais, os Bernie Sanders e Elizabeth Warren, e sem ser afetado pelas críticas dos candidatos com menos chances.

Depois de um verão (hemisfério norte) marcado por erros e comentários confusos que dispararam as dúvidas sobre o pré-candidato, Biden, 76 anos, defendeu suas posições centristas durante quase três horas de debate em Houston (Texas).

Biden começou o debate com ataques a seus dois rivais progressistas, ao afirmar que o projeto de cobertura médica universal que Warren e Sanders promovem é pouco realista, e defendeu seu plano para melhorar o sistema de saúde: "Posso explicar como financiá-lo, como implementá-lo e por quê é melhor".

Ao deixar o estúdio de televisão, o veterano político escreveu no Twitter que demonstrou porque é "o único candidato que pode (...) gerar resultados tangíveis para as famílias de trabalhadores".
 

 


O ex-vice-presidente de Barack Obama também destacou em diversos momentos sua ligação com o primeiro presidente negro da história dos Estados Unidos, muito popular entre os eleitores democratas.

Apesar dos passos em falso, Biden lidera com folga as pesquisas entre os pré-candidatos democratas, com a média de 26,8% das intenções de voto, de acordo com o site RealClearPolitics. Ele passa a imagem de moderado e, segundo as pesquisas, seria o democrata com maior capacidade para derrotar o atual presidente, o republicano Donald Trump, em 2020.

Em um momento, um pré-candidato com menos de 1% das intenções de voto tentou questionar a capacidades de Biden: "Esqueceu o que disse há dois minutos?", brincou Julián Castro, ex-secretário de Obama, o que provocou vaias do público.

 

"AK-47"

Bernie Sanders, o segundo nas pesquisas (17,3%), e Elizabeth Warren (16,8%), terceira, estabeleceram uma frente comum. O senador independente de 78 anos concentrou suas afirmações em Biden, a quem recordou o apoio à intervenção dos Estados Unidos no Iraque. Em ascensão nas primárias, Warren, 70 anos, evitou o confrontou direto com seus rivais, uma estratégia que rendeu frutos até o momento.

A pré-candidata se limitou a repetir: "Sei o que está quebrado, sei como solucionar e lutarei para fazer isto". Depois de vários tiroteios mortais nos últimos meses nos Estados Unidos, incluindo dois no Texas, a questão das armas provocou momentos de tensão no debate. O ex-membro da Câmara de Representantes Beto O'Rourke, nascido no Texas, defendeu o confisco dos rifles de ataque em um país onde o porte de armas gera polêmica. "Com certeza tomaremos seu AR-15, sua AK-47", disse, entre muitos aplausos.

Cinco meses antes das primeiras votações das primárias, no estado de Iowa, o debate marca o início da reta final da campanha. Vinte pré-candidatos democratas seguem na disputa, um recorde. Completam a lista de aspirantes a senadora Kamala Harris (6,9%), o jovem prefeito de South Bend (Indiana) Pete Buttigieg (4,8%), o empresário e único político não profissional na disputa Andrew Yang (3%), Beto O'Rourke (2,8%), o senador Cory Booker (2,3%), a senadora Amy Klobuchar (1,2%) e o Julián Castro (1%).

Apesar das divergências, um tema foi unanimidade entre os 10 participantes do debate: a necessidade de derrotar Trump. "O presidente mais perigoso da história", "um extremista branco", um "pequeno homem de ego frágil": estes foram alguns dos ataques contra o bilionário republicano. Trump faz campanha pela reeleição chamando seus oponentes de "socialistas" que ameaçam o "sonho americano".

Enquanto os democratas debatiam, o presidente fez piada em um jantar com republicanos sobre "Joe sonolento", "Bernie maluco" e "Pocahontas", como se refere a Elizabeth Warren em referência à controvérsia sobre as origens dos nativos americanos.