França registra 80 mortes em 24 horas, o menor número em mais de um mês

França registra 80 mortes em 24 horas, o menor número em mais de um mês

Dois dias após o confinamento começar a aumentar, a pressão sobre os serviços de terapia intensiva continua diminuindo

AFP

Parlamento aprovou definitivamente neste sábado o texto para estender o estado de emergência sanitária até 10 de julho na França

publicidade

A epidemia de coronavírus causou 80 mortes nas últimas 24 horas na França, o menor balanço diário desde o início de abril, elevando o número total de falecimentos para 26.310. A informação foi divulgada neste sábado pela Direção-Geral da Saúde.

Desse montante de óbitos, 76 ocorreram em hospitais e apenas quatro em instalações médicas sociais e casas de repouso, uma queda dramática em comparação com as estatísticas diárias das últimas semanas.

Dois dias após o confinamento começar a aumentar, a pressão sobre os serviços de terapia intensiva continua diminuindo. O número de pacientes gravemente doentes diminuiu em 56 casos em comparação com a contagem anterior.

Segundo a DGS, 22.614 pessoas ainda estão hospitalizadas na França devido ao vírus, com 265 novas internações nas últimas 24 horas. Desde o início da epidemia da Covid-19, 95.829 pessoas foram internadas em hospitais do país, 56.038 das quais já voltaram para casa.

"A epidemia ainda está ativa e evoluindo e o vírus circula em muitas áreas do território", alertou a DGS, que pediu a manutenção de medidas de higiene e de distanciamento social com o início do desconfinamento na segunda-feira.

O Parlamento aprovou definitivamente neste sábado o texto para estender o estado de emergência sanitária até 10 de julho na França. O Senado havia dado luz verde um pouco antes, após um compromisso no comitê entre deputados e senadores sobre este importante texto para a gestão da crise.

O presidente francês Emmanuel Macron já anunciou que recorrerá ao Conselho Constitucional para o controle dessa lei, enquanto os oponentes expressam preocupação com as restrições das liberdades públicas.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895