Furacão mediterrâneo deixa dois mortos e um desaparecido na Grécia

Furacão mediterrâneo deixa dois mortos e um desaparecido na Grécia

Furacão Ianos causou também torrentes de lama, queda de árvores e cortes de energia e de água

AFP

O nível da água subiu um metro, devido às fortes chuvas

publicidade

Duas pessoas morreram, e uma continuava desaparecida neste sábado, no centro da Grécia, após a passagem de um furacão no Mediterrâneo, um fenômeno meteorológico raro.

Uma mulher foi encontrada morta em sua casa inundada na cidade de Farsala, relataram os bombeiros. Na cidade vizinha de Karditsa, um homem também foi encontrado morto em seu local de trabalho, uma fazenda de animais, de acordo com a televisão estatal Ert. Em Mouzaki, uma cidade vizinha, uma mulher de 40 anos foi dada como desaparecida depois que seu carro foi levado pelo rio Pamissos, de acordo com a mesma fonte.

A cidade de Karditsa, 300 km ao norte de Atenas e com uma população de 113.000 habitantes, foi particularmente afetada na madrugada deste sábado pelo furacão Ianos, que causou torrentes de lama, queda de árvores e cortes de energia e de água.

O nível da água subiu um metro, devido às fortes chuvas, segundo o vice-prefeito Konstantinos Noussios, citado pela agência de notícias grega ANA. Muitos edifícios, casas, lojas e armazéns foram destruídos e, hoje, os bombeiros tiveram de resgatar centenas de pessoas de suas casas inundadas.

Este furacão no Mediterrâneo atingiu o oeste da Grécia na sexta-feira, especialmente as ilhas do Mar Jônico, onde ocorreram chuvas torrenciais e violentas rajadas de vento. As ilhas de Zakynthos, Cefalônia e Corfu sofreram inundações, quedas de energia e queda de árvores.

Um navio que transportava 55 migrantes enviou uma mensagem de socorro ao largo da costa sul do Peloponeso na sexta-feira, mas a Guarda Costeira grega não conseguiu resgatá-lo. Os esforços de busca continuaram neste sábado, mas "o navio pode ter mudado de direção" depois de ver que não poderia receber ajuda, disse um oficial da Guarda Costeira à AFP.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895