Irã confisca cães de estimação para combater a "vulgar cultura ocidental"

Irã confisca cães de estimação para combater a "vulgar cultura ocidental"

Animais são considerados "sujos"

AFP

Irã confisca cães de estimação para combater a "vulgar cultura ocidental"

publicidade

Os donos de cachorros de uma cidade iraniana estão indignados depois que as autoridades locais decidiram confiscar seus animais de estimação para lutar contra a "vulgar cultura ocidental", segundo o jornal Shahrvand e a Sociedade para a Proteção dos Animais do país.

Pessoas com documentos indicando que pertenciam ao serviço veterinário municipal "vieram na semana passada à minha casa e levaram meu cachorro com o pretexto de vaciná-lo", contou ao jornal um cidadão de Shain Shahr, na província de Ispahan (centro). Mas quando o homem, cuja identidade não foi revelada, compareceu ao serviço veterinário da cidade, não encontrou registros do seu cachorro. O jornal afirma que os confiscos de cachorros são resultado de uma decisão do promotor da cidade, Mohsen Boosaidi.

"Ter um cachorro como animal de estimação é 'haram' (proibido), de acordo com líderes religiosos", afirmou Boosaidi na semana passada à agência de notícia Fars. "Se descobrirmos que alguém possui e cuida de cachorros e que, portanto, está propagando a vulgar cultura ocidental, lidaremos com eles com firmeza", acrescentou o promotor. Os confiscos de cães começaram em Shahin Shahr três dias depois das declarações do promotor, segundo Shahrvand.

O presidente da Sociedade para a Proteção dos Animais do Irã, Javid Al-e Davud, criticou esta operação "ilegal", afirmando que o promotor estava "totalmente equivocado" sobre a atitude islâmica em relação aos cachorros. "Possuir cachorros não é considerado "haram" em nenhum livro religioso. Associar a posse de cachorros com a cultura ocidental é distorcer a história do islã e da civilização iraniana", disse Davud em uma carta à promotoria, publicada no site da organização.

No islã, os cães são considerados "najes" (sujos), e a polícia multa, com frequência, pessoas passeando com estes animais. No entanto, de acordo com vários líderes religiosos e conforme foi estabelecido pelas autoridades iranianas, é permitido ter cachorros que tenham uma função clara, como proteger propriedades ou outros animais, caçar, farejar drogas ou guiar cegos. 

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895