Licença de cocaína no Canadá não será para venda ao público, diz premiê

Licença de cocaína no Canadá não será para venda ao público, diz premiê

Província de Columbia Britânica lançou um processo de despenalização experimental para abordar a crise de overdose por opiáceos

AFP

publicidade

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, declarou-se "surpreso", nesta sexta-feira (3), com o fato de companhias com licença para vender cocaína a farmácias e hospitais terem dado a entender que logo o país permitiria a venda de drogas pesadas ao público.

No começo da semana, várias companhias anunciaram que a agência reguladora de saúde canadense havia lhes dado permissão para produzir e vender cocaína.

O anúncio se deu um mês depois que a província de Columbia Britânica lançou um processo de despenalização experimental para abordar a crise de overdose por opiáceos que matou milhares de cidadãos.

A província despenalizou a posse - mas não a venda - de pequenas quantidades de cocaína e outras drogas pesadas, dentro de um projeto piloto de três anos, cujo objetivo é eliminar o estigma associado ao uso de drogas que impede que os dependentes tenham acesso à ajuda.

Defensores da iniciativa também exigiram que o fornecimento seja mais acessível e seguro para os dependentes de drogas, que correm risco de overdose com o comércio ilícito nas ruas.

Trudeu esclareceu hoje que as companhias não tinham "permissão para vendê-las comercialmente ou fornecê-las em um mercado aberto", e acrescentou que o mal-entendido será corrigido.

"Há licenças limitadas e muito restritas para certas companhias farmacêuticas para usar a substância com fins de pesquisa e para propósitos médicos específicos cuidadosamente prescritos", explicou.

Trudeau comentou sobre o tema depois que o primeiro-ministro da Columbia Britânica manifestou surpresa pelas afirmações dos laboratórios Sunshine Earth e Adastra.

"Estava tão surpreso como o primeiro-ministro da Columbia Britânica ao ver que uma companhia estava falando de vender cocaína no mercado aberto ou de comercializá-la", disse Trudeau aos jornalistas.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895