Manifestantes fazem trégua para não prejudicar eleições em Hong Kong

Manifestantes fazem trégua para não prejudicar eleições em Hong Kong

Pleito define 452 conselheiros em 18 distritos do territôrio semi-autônomo

AFP

Até agora, 4,1 milhões eleitores se registraram para votar no domingo

publicidade

As manifestações pró-democracia, praticamente diárias em Hong Kong por seis meses, pareciam dar uma trégua neste sábado, numa tentativa de não dificultar as eleições locais no domingo, vistas por muitos cidadãos como uma espécie de referendo. Na véspera dessas eleições locais, não houve grandes manifestações ou confrontos com a polícia, uma pausa para uma cidade abalada por protestos por quase meio ano.

Temendo que as autoridades adiem as eleições devido à violência, os eleitores que votam pela primeira vez optaram por não prejudicar as eleições foram. Os fóruns de protesto também pediram que as eleições não sejam perturbadas.

No popular fórum LiHKG, os usuários pró-democracia enviaram mensagens pedindo aos eleitores para irem às seções de voto. Os centros eleitorais serão abertos no domingo de manhã neste território semiautônomo de 7,5 milhões de pessoas. Até agora, essas eleições, muito locais, não despertaram muito entusiasmo. Elas são dominadas por candidatos ligados a Pequim e focados em questões sem importância, como planejamento urbano ou coleta de lixo.

Mas, no contexto explosivo dos protestos, os candidatos ao partido pró-democracia esperam enviar uma mensagem à chefe da executiva local, Carrie Lam, e ao governo pró-Pequim, que rejeitou qualquer concessão às demandas dos manifestantes.

Essas eleições, que servem para escolher 452 conselheiros em 18 distritos, são a coisa mais próxima de uma eleição direta que existe em Hong Kong. Ao contrário dos distritos, a eleição da assembleia local e do executivo é muito mais indireta e influenciada pelos comitês pró-Pequim. Até agora, 4,1 milhões de habitantes de Hong Kong se registraram para votar, quase 400.000 a mais que em 2015, o que os grupos de pró-democracia interpretam como um sinal positivo. No domingo, está previsto um destacamento policial sem precedentes nos locais de votação.

"Todo voto conta"

O primeiro secretário do governo local, Matthew Cheung, pediu que as eleições aconteçam sem problemas. "Se gerarem caos ou realizarem atos ilegais, será difícil realizar uma eleição justa", afirmou. "É um verdadeiro exercício democrático. Eu realmente quero que as pessoas apreciem isso".

O movimento de protesto começou em junho, após a rejeição de um projeto de lei para autorizar a extradição para a China continental. O texto foi abandonado mais tarde, mas agora os manifestantes pedem o sufrágio universal para eleger as autoridades de Hong Kong e uma investigação independente sobre a violência policial.

O estudante Chow Pak-kwan, 21 anos e ferido por um policial em uma das manifestações, pediu a seus compatriotas neste sábado que votem em massa nas eleições de domingo para "obter mais democracia". "Espero que o povo de Hong Kong vote para obter mais democracia pacificamente", disse Chow Pak-kwan à imprensa, usando uma máscara no rosto, como costumam fazer os manifestantes.

Ferido há duas semanas, o estudante é uma das três pessoas atingidas por uma bala desde o início dos protestos. É o primeiro que fala em público. Chow Pak-kwan deixou o hospital na quarta-feira, após a remoção de um de seus rins e parte de seu fígado, como resultado dos ferimentos.

"Todo voto conta", disse ele. O estudante foi atingido no abdômen em 11 de novembro, quando manifestantes bloquearam as ruas de Hong Kong. O vídeo com as imagens do incidente foi transmitido ao vivo no Facebook.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895