Março foi o mês mais violento do México em quase dois anos apesar da quarentena

Março foi o mês mais violento do México em quase dois anos apesar da quarentena

Homicídios do país cresceram 8,4%

AFP

México teve 78 feminicídios de fevereiro para março

Os assassinatos no México cresceram 8,4% em março, somando 3 mil vítimas, além de 78 feminicídios em relação ao mês anterior, o número mais alto até agora no governo do esquerdista Andrés Manuel López Obrador, apesar do país ter entrado quarentena da pandemia de Covid-19.

A cifra se compara aos 2.766 assassinatos e 92 feminicídios em fevereiro e ocorre depois que o governo iniciou uma quarentena nacional não obrigatória em 23 de março para combater a propagação do novo coronavírus, segundo dados oficiais divulgados nesta sexta-feira. 

"É a tendência histórica do mês passado, tivemos um pequeno aumento que chega a 3 mil (homicídios dolosos), no entanto, podemos dizer que estamos praticamente na linha de contenção", disse o secretário de Segurança Alfonso Durazo durante a coletiva de imprensa matinal de López Obrador. 

O número também representa um novo máximo de 20 meses, comparado aos 3.074 homicídios dolosos e 84 feminicídios registrados em julho de 2018, mesmo durante o governo anterior de Enrique Peña Nieto (2012-2018).

Como prevenir o contágio do novo coronavírus 

De acordo com recomendações do Ministério da Saúde, há pelo menos cinco medidas que ajudam na prevenção do contágio do novo coronavírus:

• lavar as mãos com água e sabão ou então usar álcool gel.

• cobrir o nariz e a boca ao espirrar ou tossir.

• evitar aglomerações se estiver doente.

• manter os ambientes bem ventilados.

• não compartilhar objetos pessoais


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895