May pede que Putin pare com "atos de desestabilização"
capa

May pede que Putin pare com "atos de desestabilização"

Declaração ocorreu em primeiro encontro entre líderes desde caso Skripal

Por
AFP

May e Putin debateram tensões bilaterais à margem do G20

publicidade

A primeira-ministra britânica, Theresa May, pediu nesta sexta-feira ao presidente russo, Vladimir Putin, que ponha fim a "atos de desestabilização que ameaçam o Reino Unido e seus aliados" em uma reunião bilateral à margem do G20 no Japão. Caso contrário, "não pode haver normalização nas relações bilaterais", advertiu a premiê, segundo um porta-voz de Downing Street.

Esta é a primeira reunião dos dois líderes desde o envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal em 2018 em território britânico. Durante sua reunião com Putin, May disse que há "provas irrefutáveis de que a Rússia estava por trás do ataque". Apesar do tom frio do encontro, a primeira-ministra britânica disse que está "aberta à possibilidade de um relacionamento diferente, mas para isso o governo russo tem que escolher um caminho diferente".

As autoridades britânicas indicaram antes do encontro que esta reunião não significava uma normalização das relações com Moscou. "Há um entendimento sobre a necessidade de reviver essa cooperação no interesse dos empresários de ambos os países", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, aos jornalistas nesta sexta-feira. Por sua parte, Vladimir Putin disse no início de junho que ele quer "virar a página relacionada a espiões e ataques" nas relações com Londres.

Caso Skripal

Serguei Skripal, um ex-coronel da inteligência russa condenado por espionagem em favor do Reino Unido e depois trocado com outros agentes duplos, foi encontrado inanimado em um banco público em 4 de março de 2018 em Salisbury, no sul da Inglaterra.

Londres acusa o serviço de inteligência militar russo (GRU) de ter tentado envenená-lo com a ajuda de um agente tóxico. Moscou nega qualquer responsabilidade neste caso, o que causou uma crise diplomática com a expulsão mútua de representantes. Os dois países também estão em lados opostos em outras questões, como o conflito sírio ou a crise na Ucrânia.