Primeira-dama dos EUA é operada de um problema renal benigno

Primeira-dama dos EUA é operada de um problema renal benigno

Melania Trump deve permanecer hospitalizada durante toda semana, informou Casa Branca

AFP

Ex-modelo eslovena de 48 anos foi operada de um problema renal benigno

publicidade

A primeira-dama dos Estados Unidos, Melania Trump, foi operada nesta segunda-feira de um problema renal benigno e deve permanecer hospitalizada toda a semana, anunciou a Casa Branca. A ex-modelo eslovena de 48 anos foi submetida a uma embolização, informou a diretora de Comunicações da Casa Branca, Stephanie Grisham, que acrescentou que o "procedimento foi bem sucedido e não houve complicações".

A primeira-dama está internada no hospital militar Walter Reed, em Bethesda (Maryland), subúrbio de Washington, aonde Trump foi visitá-la durante a tarde. "A caminho de Walter Reed para ver nossa primeira-dama", tuitou o presidente, pouco antes de decolar de helicóptero dos jardins da Casa Branca, agradecendo as mensagens de recuperação.

Nascida Melanija Knavs em 1970 na antiga Iugoslávia, ela é a terceira esposa de Trump, de 71 anos, com quem tem um filho, Barron, de 12 anos.

Segundo dois especialistas consultados pela reportagem, o problema de saúde de Melania pode se tratar, provavelmente, segundo o vocabulário usado pelo Executivo, de um tumor renal benigno denominado "angiomiolipoma". O procedimento consiste em, através de um cateter, cortar a alimentação sanguínea do tumor, que pode medir alguns centímetros.

Segundo o doutor Jeffrey Leef, da Universidade de Chicago, a cirurgia não tem nada de inquietante e é habitual que o paciente fique hospitalizado após a intervenção para tratar a dor. "É mais frequente nas mulheres", explicou Elizabeth Kavaler, especialista em urologia do Lenox Hill de Nova York. Estes tumores podem crescer, mas não são cancerígenos, e o único risco é um aumento das hemorragias, acrescentou.

Popularidade em alta

Discreta e enigmática, até agora manteve silêncio sobre os boatos de tensão entre o casal presidencial ou as supostas infidelidades de seu marido com a atriz pornô Stormy Daniels e a ex-modelo da Playboy Karen McDougal. Sua estreia na cena política foi difícil e polêmica e lhe custou assumir seu papel como primeira-dama: ela aguardou cinco meses para se unir a Donald Trump em Washington, o tempo para que Barron concluísse o ano letivo em Nova York. Mas Melania Trump pouco a pouco foi encontrando seu lugar na Casa Branca.

Há uma semana, saiu da reclusão para apresentar uma iniciativa voltada para crianças, buscando especialmente protegê-las do uso em excesso das redes sociais, algo negativo. Segundo pesquisa da CNN/SSRS publicada na ocasião, 57% dos americanos têm uma opinião positiva sobre ela, um aumento de 10 pontos com relação a janeiro (47%).

Um fato particularmente notável é que entre os eleitores democratas, seu nível de aprovação cresceu 15%. Mas esta popularidade é, no entanto, menor da que tinha sua antecessora, Michelle Obama, durante o governo de Barack Obama.

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895