Primeiro-ministro da Itália anuncia renúncia ao cargo
capa

Primeiro-ministro da Itália anuncia renúncia ao cargo

Conte pretende deixar posto após desentendimento com Salvini

Por
AFP

Anúncio foi dado pelo político em discurso solene ao Senado

publicidade

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, anunciou nesta terça-feira sua renúncia e o fim do primeiro governo populista, acusando o líder da Liga Matteo Salvini de ser "irresponsável" ao romper a coalizão governamental em 8 de agosto.

Em um discurso solene perante o Senado, Conte criticou seu ministro do Interior, dizendo que ele apenas "perseguiu seus próprios interesses e os interesses de seu partido" ao tentar tirar proveito das pesquisas que os creditavam com uma grande maioria no parlamento, na sequência dos resultados recordes nas europeias (34%).

"Fazer os cidadãos votar é a essência da democracia, mas pedir a eles que votem todos os anos é irresponsável", disse Conte. "O país precisa urgentemente de medidas para promover o crescimento econômico e o investimento". "Estou interrompendo aqui essa experiência de governo. Pretendo concluir essa passagem institucional de maneira coerente. Irei ver o presidente da República para apresentar minha renúncia", disse Conte, ressaltando que antes pretende ouvir o debate programado para durar 3H45.

Em seu discurso contra Salvini, Conte acusou o vice-primeiro-ministro de causar "sérios riscos ao nosso país" e evocou o perigo de uma espiral econômica negativa para a terceira economia da zona do euro. Ele também acusou o líder da Liga (extrema direita) de "falta de respeito pelas regras e instituições", repreendendo-o por exigir eleições o mais rápido possível para obter "plenos poderes".

"Caro ministro do Interior, ouvi você pedir 'plenos poderes' e apelar para que seus apoiadores saiam às ruas para apoiá-lo, essa atitude me preocupa", acrescentou Conte. "Não precisamos de plenos poderes, mas de líderes com o senso de instituições", disse ele. Tendo chegado à chefia do país depois de uma marcha fascista em Roma, o ditador Benito Mussolini obteve em 1922 "plenos poderes" para dirigir como desejava a Itália durante o ano seguinte.