Quem são as 10 reféns israelenses libertadas pelo Hamas nesta terça-feira

Quem são as 10 reféns israelenses libertadas pelo Hamas nesta terça-feira

Nova leva de liberações totaliza 86 pessoas que estavam na Faixa de Gaza, agora livres

AFP

Negociações para retirada de reféns têm mantido trégua

publicidade

Dez mulheres de 17 a 84 anos, incluindo membros de uma família argentina, estão entre as reféns que foram libertadas nesta terça-feira (28) em Gaza. Com elas, chega a 86 o número de reféns agora livres, mais de um terço dos cerca de 240 sequestrados pelas milícias do movimento islamista em seu ataque de 7 de outubro.

Sessenta mulheres e crianças foram libertadas desde sexta-feira, em troca de 180 prisioneiros palestinos, no âmbito de um acordo de trégua entre Israel e Hamas. Também foram liberados desde sexta, mas à margem desse acordo, 19 tailandeses, um filipino e um russo-israelense. Cinco reféns haviam sido soltos em outubro.

Mia Leimberg, de 17 anos, foi libertada nesta terça-feira, junto com sua mãe Gabriela Leimberg, de 59, e sua tia Clara Marma, de 62. A adolescente estava segurando seu cachorro Bella nos braços nas imagens de sua libertação. Naturais de Jerusalém, Mia e Gabriela estavam visitando Clara e seu parceiro Luis Har em Nir Yitzhak, assim como Fernando Marman, irmão de Clara e Gabriela. Os dois homens seguem sequestrados.

A família, que tem nacionalidade argentina segundo a imprensa do país, se refugiou na sala segura da casa em que estavam durante o ataque, tentando bloquear a porta com uma cadeira, mas sem sucesso. Mia, que adora cantar, estuda na Jerusalem High School for the Arts. A faixa pendurada em frente à escola - "Mia, estamos esperando seu retorno!" - pode agora ser removida.

Em 7 de outubro, a família de Ofelia Roitman, de 77 anos, perdeu o contato com ela pouco antes das 10h, quando estava em seu abrigo. Naquela noite, quando os soldados inspecionaram sua casa, não encontraram sinais de luta, sugerindo que ela havia sido sequestrada. Roitman, de nacionalidade argentina, emigrou para Israel em 1985 e morava em Nir Oz desde então. Por vinte anos, ela foi professora do ensino fundamental. Seu marido, hospitalizado após uma queda, estava ausente no momento do ataque.
Ditza Heiman, 84

Até agora, o vídeo do sequestro de Ditza Heiman, de 84 anos, era a única evidência de vida à qual a família se agarrava, junto com o depoimento de um vizinho que testemunhou sua captura. Esta viúva e antiga trabalhadora social, que morava sozinha em Nir Oz, se refugiou na câmara segura de sua casa. Ditza é bisavó de cinco crianças, que adoram sua famosa sopa secreta.

Tamar Metzger, de 78 anos, foi levada de sua casa em Nir Oz junto com seu marido Yoram, de 80, que continua detido em Gaza. "Até agora, está tudo bem", havia escrito o avô para uma de suas netas em 7 de outubro, às 8h50, antes de um longo silêncio. Tamar, ávida leitora cuja família é originária do Iêmen, é mãe de três filhos.

Ada Sagi, que mora sozinha em Nir Oz desde que seu marido morreu de câncer, foi sequestrada em seu abrigo. Seu filho Noam Sagi, que mora em Londres, percebeu seu desaparecimento quando viu um vídeo na internet de um desconhecido no jardim de sua mãe. Ada, filha de sobreviventes poloneses do Holocausto, aprendeu árabe e depois passou a ensiná-lo para melhorar a comunicação com seus vizinhos palestinos.

Noralin Agojo, de 60 anos e natural das Filipinas, foi sequestrada em Nirim, onde visitava amigos com seu parceiro Gideon Babani, que morreu no atentado. Antes de ser capturada, Noralin ligou para seu irmão Exo para dizer que talvez não o veria novamente. Essa cidadã israelense mora em Yehud, perto de Tel Aviv, onde gosta de cultivar cactos e flores.

Meirav Tal, de 53 anos, foi libertada um dia depois dos dois filhos de seu parceiro Yair Yaakov, Yagil e Or. O casal se refugiou na sala segura de sua casa em Nir Oz, mas no dia seguinte, seus parentes viram em um vídeo como os agressores entraram à força com a ajuda de granadas.

Rimon Kirsht, de 36 anos, e seu parceiro Yagev Buchstab, de 34, ainda cativo, foram sequestrados em sua casa em Nirim, em 7 de outubro. A jovem, aterrorizada, enviou uma última mensagem de voz a sua mãe às 8h30, segundo a tia de seu parceiro, na qual se ouviam os gritos dos militantes e tiros.

Kirsht, que trabalha em medicina alternativa e ama os animais, apareceu em um vídeo divulgado pelo Hamas em 30 de outubro.

 


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895