Reino Unido aprova vacina contra a Covid-19 de dose única da Janssen

Reino Unido aprova vacina contra a Covid-19 de dose única da Janssen

Imunizante é considerado 85% eficaz na prevenção de doenças graves

AFP e Correio do Povo

publicidade

O Reino Unido aprovou nesta sexta-feira a vacina de dose única da Janssen (Johnson & Johnson) contra o coronavírus, adicionando um quarto fármaco a seu arsenal na luta contra pandemia, anunciou o ministério da Saúde. Aprovada pela agência reguladora britânico MHRA, a vacina se unirá aos fármacos da Pfizer, AstraZeneca e Moderna que já são utilizadas no país. Conforme dados do governo britânico, 62.658.639 de doses já foram distribuídas, das quais 24,043,956 são a injeção de reforço, o que corresponde a 36,1% da população.

"Este é mais um impulso para o programa de vacinação de enorme sucesso do Reino Unido, que já salvou mais de 13 mil vidas, e significa que agora temos quatro vacinas seguras e eficazes aprovadas para ajudar a proteger as pessoas deste terrível vírus. Como a Janssen é uma vacina de dose única, ela terá um papel importante nos próximos meses, à medida que redobramos nossos esforços para incentivar todos a fazerem suas vacinas e, potencialmente, começarem um programa de reforço ainda este ano", afirmou o secretário de saúde, Matt Hancock, em um comunicado.

País mais afetado da Europa, com quase 128.000 mortes confirmadas de covid-19, o Reino Unido também foi o primeiro país ocidental a lançar uma campanha de vacinação em massa, em 8 de dezembro passado. A meta do governo é ter oferecido a primeira dose a todos os adultos até o final de julho deste ano.

Diante do surgimento da variante indiana do coronavírus, aparentemente mais contagiosa, as autoridades sanitárias decidiram, porém, reduzir o intervalo entre as duas doses da Pfizer, da AstraZeneca e da Moderna, de 12 para oito semanas, para obter uma melhor proteção contra o coronavírus.

A vacina da Janssen

O fármaco, fabricado pela Janssen, subsidiária da gigante americana com sede na Bélgica, foi testada em mais de 44.000 pessoas nos Estados Unidos, África do Sul e Brasil. Outros testes envolvendo uma segunda dose estão ocorrendo no Reino Unido, e o governo britânico comprou 30 milhões de doses. Dados de estágio final publicados em janeiro revelaram uma taxa de eficácia de 66% na prevenção de Covid-19 moderada a grave 28 dias após a vacinação.

Ela foi considerada 85% eficaz na prevenção de doenças graves em todas as regiões estudadas. Também forneceu 100% de proteção contra hospitalização e morte, assim como outras vacinas autorizadas para uso em todo o mundo.

 

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895