Sob chuva de críticas, Boris Johnson esclarece plano de desconfinamento
capa

Sob chuva de críticas, Boris Johnson esclarece plano de desconfinamento

Reino Unido é o país europeu com o maior número de mortes pela Covid-19

Por
AFP

Autoridades apontam plano de Johnson como perigoso e contraditório

publicidade

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, foi duramente atacado nesta segunda-feira pela oposição devido ao seu plano de desconfinamento, qualificado por eles como contraditório e perigosamente confuso, à espera de suas explicações diante do Parlamento.

Downing Street publicou um documento de 50 páginas com os detalhes sobre o que Johnson defendeu no dia anterior e sobre o que não mencionou, como as ligas profissionais de futebol que, de acordo com o texto, serão capazes de retomar as competições sem público a partir de 1º de junho.

O Reino Unido é o país europeu com o maior número de mortes pela Covid-19, com mais de 31 mil vítimas fatais, e o segundo do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, cuja população (327 milhões) é quase cinco vezes superior.

Diante das sérias consequências econômicas do confinamento - o Banco da Inglaterra prevê uma queda de 14% no PIB -, o governo decidiu convocar setores como construção e indústria a retomar o trabalho a partir de segunda-feira.

"Devem trabalhar se não puderem trabalhar em casa", disse Johnson, ciente de que muitos funcionários e sindicatos se opõem desde que a segurança não seja garantida.

Johnson pediu para evitar o transporte público, não falou do uso de máscaras ou outro material de proteção e não explicou como os locais de trabalho devem se adaptar para realizar o distanciamento físico.

Mensagens contraditórias

Dado o peso psicológico do confinamento, a partir de quarta-feira, as pessoas também serão incentivadas a "fazer exercícios ilimitados ao ar livre", tomar sol, dirigir para destinos afastados e até jogar em equipes, mesmo que apenas entre "membros da mesma casa".

E embora a ordem continue sendo "fique em casa o maior tempo possível", o governo mudou seu slogan de "fique em casa para salvar vidas" para "permanecer alerta para salvar vidas".

Segundo uma pesquisa do YouGov divulgada nesta segunda-feira, apenas três em cada dez britânicos dizem entender a nova mensagem. As medidas decididas por Johnson serão limitadas à Inglaterra, já que a Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte determinam o seu próprio desconfinamento e rejeitam este plano.

14 dias de quarentena

Para evitar contaminações vindas do exterior, o país estabelecerá "em breve" um isolamento de 14 dias às pessoas que chegarem do exterior por avião, anunciou Johnson sem maiores detalhes, despertando críticas do setor aeroportuário.

Downing Street destacou posteriormente que a medida poderia se estender a outros meios de transporte, mas que a regra não se aplicará à vizinha França, abrindo espaço para mais dúvidas. Este desconfinamento lento e progressivo é, no entanto, "condicional" e dependerá dos resultados, enfatizou Johnson.

Como prevenir o contágio do novo coronavírus 

De acordo com recomendações do Ministério da Saúde, há pelo menos cinco medidas que ajudam na prevenção do contágio do novo coronavírus:

• lavar as mãos com água e sabão ou então usar álcool gel.

• cobrir o nariz e a boca ao espirrar ou tossir.

• evitar aglomerações se estiver doente.

• manter os ambientes bem ventilados.

• não compartilhar objetos pessoais.