Tiroteio deixa dois mortos perto de sinagoga da Alemanha
capa

Tiroteio deixa dois mortos perto de sinagoga da Alemanha

Homens mascarados e fortemente armados disparam contra pessoas em dia de Yom Kippur

Por
Correio do Povo com agências

Policiais fazem segurança no entorno de sinagoga

publicidade

Homens armados mataram duas pessoas nesta quarta-feira, nas imediações de uma sinagoga na cidade de Halle, na Alemanha. Segundo testemunhas, os atiradores usavam roupas camufladas, portavam armas pesadas e fugiram em um carro.

Os agressores ainda teriam jogado uma granada em um cemitério que fica ao lado da sinagoga. A polícia iniciou uma operação de busca pelos assassinos e uma pessoa foi presa, mas sua identidade não foi revelada. Várias pessoas também relataram disparos, incluindo de granada, contra um restaurante de kebab turco. "Um atirador usava capacete e roupas militares", testemunhou um homem, que estava dentro do restaurante, em entrevista ao canal de notícias NTV. "Ele jogou uma granada no local. A granada bateu na porta e explodiu", acrescentou a testemunha

Além dos disparos em Halle, também houve disparos em cerca de 15 quilômetros de Landsberg. A informação foi confirmada por uma porta-voz da delegacia, segundo a Deustch Welle. 

Judeus ao redor do mundo estão comemorando o dia da festa de Yom Kipur. Não está claro se existe uma conexão com o ato. Pelo Twitter, a polícia pediu que os moradores permaneçam em suas casas até que a situação seja normalizada.

O ataque ocorre meses após o assassinato em Hesse de Walter Lübcke, um político pró-migrantes do partido conservador da chanceler Angela Merkel (CDU). O principal suspeito é membro do movimento neonazista. Esse caso chocou o país, onde a extrema direita anti-imigrante tem registrado sucessos eleitorais.

Isso despertou o medo de um terrorismo de extrema direita, como o do pequeno grupo NSU, responsável pelo assassinato entre 2000 e 2007 de uma dúzia de migrantes. Vários são os precedentes violentos: um ataque a faca contra a prefeita de Colônia, Henriette Reker, em 2015, e dois anos depois contra o prefeito de Altena, Andreas Hollstein. Ambos escaparam da morte por pouco. Os dois defendiam uma política de acolhimento generosa dos migrantes.