Trump marca reuniões para discutir "shutdown" e diz: "o muro está chegando"
capa

Trump marca reuniões para discutir "shutdown" e diz: "o muro está chegando"

Construção do muro na fronteira com México está no centro de um impasse orçamentário entre Donald Trump e o Congresso

Por
AFP

Construção do muro na fronteira com México está no centro de um impasse orçamentário entre Donald Trump e o Congresso

publicidade

* Com informações da Agência Estado 

As negociações para acabar com o "shutdown", a paralisia parcial das administrações federais americanas que entra em sua terceira semana, pouco avançaram nesse sábado, mas vão continuar neste domingo, declarou o presidente Donald Trump.

O vice-presidente Mike Pence se reuniu no sábado com Chuck Schumer, o líder dos democratas no Senado - controlado pelos republicanos - e com a democrata Nancy Pelosi, eleita na quinta-feira presidente da Câmara de Representantes, onde os democratas são agora maioria. "O vice-presidente Mike Pence e sua equipe acabaram de deixar a Casa Branca. Eles me informaram de sua reunião com os representantes Schumer/Pelosi. Pouco progresso hoje. Uma segunda reunião está marcada para amanhã", anunciou Trump no Twitter.

Em uma série de mensagens, Trump citou a uma pesquisa da Associated Press-NORC Center sobre imigração, alertou sobre a urgência de se chegar a um consenso e em tom ameaçador disse na última mensagem: "O muro está chegando". O tuíte é ilustrado por uma foto do presidente e um muro.


A construção de um muro de 3.200 quilômetros ao longo da fronteira dos Estados Unidos com o México, desejada pelo presidente americano, está no centro de um impasse orçamentário entre Donald Trump e o Congresso, o que paralisa 25% das administrações federais desde dezembro. O presidente se recusa a assinar uma lei orçamentária se ela não incluir 5 bilhões de dólares para a construção do muro, o que os democratas recusam terminantemente.

Na sexta-feira, Donald Trump, que fez da luta contra a imigração ilegal um dos seus cavalos de batalha, defendeu mais uma vez o seu projeto, afirmando estar pronto para que esta paralisia parcial da administração federal dure vários meses, e até mesmo mais de um ano. Segundo ele, essa construção é uma questão de "segurança nacional". "Vamos amanhã de manhã a Camp David para reuniões sobre a segurança nas fronteiras e muitos outros assuntos com outras autoridades da Casa Branca", tuitou Trump.

Na ausência de um acordo, milhares de funcionários públicos foram forçados a deixar seus escritórios devido à falta de fundos. Assim, metade dos 800 mil funcionários do governo são forçados a trabalhar sem remuneração, enquanto a outra metade é forçada a tirar férias sem pagamento em razão desta paralisia.

Entre eles, agentes encarregados da segurança aérea para a Administração de Segurança dos Transporte, bem como agentes do FBI. Os museus, lotados de turistas, foram forçados a fechar, enquanto pilhas de lixo se acumulam nos parques nacionais. A construção deste muro foi uma promessa central da campanha presidencial de 2016 de Donald Trump.